FL Piton/Prefeitura de Ribeirão Preto
FL Piton/Prefeitura de Ribeirão Preto

Morte de macacos põe região norte de SP em risco de reincidência de febre amarela

Doença havia sido controlada na área de Ribeirão Preto e Tambaú, que não registram casos desde julho

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

13 Abril 2018 | 18h45

SOROCABA - A confirmação da febre amarela como causa da morte de três macacos em Tambaú, na região metropolitana de Ribeirão Preto, preocupa a Vigilância Epidemiológica Estadual por indicar a circulação do vírus em uma região onde a doença já foi controlada. Os primatas foram achados mortos no mês de março, na zona rural, e laudos do Instituto Adolfo Lutz divulgados nesta sexta-feira, 13, confirmaram a doença.

+++ Ministério da Saúde confirma 328 mortes por febre amarela no Brasil

Desde julho do ano passado, a região não registra casos de febre amarela. Em Ribeirão Preto, o último óbito pela doença aconteceu em janeiro de 2017. A Secretaria da Saúde afirma que mais de 90% da população estão imunizados.

+++ Vírus da febre amarela começa a circular no litoral norte de SP

Conforme o Grupo de Vigilância Epidemiológica, no período de julho de 2017 até o momento, os 429 casos autóctones - quando a pessoa se contamina no local onde vive - aconteceram na capital e em municípios das regiões da Grande São Paulo, Campinas, Sorocaba, Baixada Santista, Registro, São João da Boa Vista, São José dos Campos, Taubaté e Caraguatatuba. Do total de casos, 161 evoluíram para óbito.

+++ 43% dos pacientes de febre amarela submetidos a transplante de fígado sobreviveram

Na região norte, na qual se insere Tambaú, a febre amarela incidiu fortemente no ano de 2016, até o início de 2017. No último dia 23 de março, no entanto, a Secretaria de Saúde de São José do Rio Preto confirmou a doença em dois saguis mortos. A cidade reforçou a vacinação. Já a prefeitura de Tambaú informou ter ampliado a vacinação na cidade. Municípios vizinhos, como Mococa e Santa Rita do Passa Quatro, também entraram em alerta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.