Morte em hospital de Alagoas não foi causada pela KPC, diz Sesau

Bactéria responsável pela morte de homem de 70 anos é conhecida como acinetobacter

Central de Notícias,

01 Abril 2011 | 15h22

São Paulo, 1 - Nota da Secretária de Estado da Saúde (Sesau) de Alagoas, divulgada na tarde desta sexta-feira, 1, afirma que a morte de um homem, de 70 anos, ocorrida nesta quinta-feira, 31, no Hospital Universitário (HU), em Maceió, não foi causada pela superbactéria KPC e sim pela bactéria acinetobacter, também super-resistente a antibióticos, segundo a Sesau.

 

Veja também:

link Paciente morre com superbactéria em Maceió (AL)

A Sesau, de acordo com a nota, ainda aguarda o relatório da Vigilância Sanitária municipal, com apoio da Vigilância Estadual, que iniciaram investigação na manhã de hoje no Hospital Geral (HGE) e Hospital Universitário (HU).

Mesmo não se tratando da superbactéria KPC, a situação também exige medidas emergenciais para assegurar a assistência com segurança à população. Para isso, também aguardará as medidas adotadas pela Secretaria Municipal de Saúde de Maceió, a quem os serviços do Hospital Universitário estão contratados, sobre o Plano de Contingência nessa área.

Segundo a secretaria, o idoso que entrou em óbito passou apenas um dia no HGE, sendo em seguida transferido para o HU, que ainda não autorizou o acesso dos técnicos da Vigilância Sanitária ao prontuário médico.

Já a jovem de 16 anos, internada na UTI do HU, também fora encaminhada pelo HGE. No relatório que está sendo aguardado pela Sesau, será revelado em detalhes onde a paciente contraiu a infecção.

Mais conteúdo sobre:
superbactéria

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.