Guillermo Arias / AFP
Guillermo Arias / AFP

Mortes por coronavírus na China chegam a 106, com mil novos infectados; Mongólia fecha fronteira

Comunicado foi divulgado pelo governo chinês na noite desta segunda. Quantidade total de infectados supera os 4 mil

Agências internacionais, O Estado de S.Paulo

27 de janeiro de 2020 | 22h14
Atualizado 28 de janeiro de 2020 | 12h04

PEQUIM - O número de mortes pelo coronavírus na China chegou a 106, segundo comunicado divulgado na noite desta segunda-feira, 27. A quantidade de infectados teve um salto com cerca de 1,3 mil novos registros, fazendo o total de pacientes superar os 4 mil. A Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a classificar nesta segunda como “elevado” o risco internacional do coronavírus, após qualificá-lo como “moderado” em informe na semana passada. 

O novo balanço mostra um alta de 24 mortes em um dia e 1.291 novas infecções. A China país já colocou mais de 40 milhões de habitantes em quarentena, suspendeu parte dos transportes e restringiu acesso a locais públicos, além de estender o feriado do ano-novo lunar. 

A Mongólia anunciou nesta segunda que fechou a fronteira terrestre com o país, com mais de 4,6 mil quilômetros, em um esforço para conter o vírus. Escolas e universidades locais também foram fechadas até 2 de março. A Malásia vai barrar moradores da Província de Hubei, epicentro do surto. Já Estados Unidos, França, Espanha, Japão e Rússia se organizam para tirar seus cidadãos de Hubei, após as medidas chinesas de isolamento.

Alemanha confirmou nesta segunda-feira, 27, o primeiro caso de infecção pelo novo coronavírus em seu território. É o segundo país europeu a registrar infectados pelo vírus. O primeiro foi a França, que confirmou três casos na semana passada.

O governo federal brasileiro disse que a situação está sob controle no País e afirmou que não vê necessidade de averiguar todas as aeronaves que vêm da China. Presidente substituto da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres disse que a vigilância sanitária será chamada para análise mais detalhada só se for notificada presença de pessoa com suspeita do vírus, o que ainda não ocorreu em voos que chegaram ao Brasil.

Coronavírus: estamos próximos de uma pandemia? Ouça no podcast Estadão Notícias

Infecção pode ser assintomática, aponta estudo

As infecções pelo novo coronavírus, geralmente associadas a quadros de pneumonia, podem ocorrer também sem que o infectado apresente nenhum sintoma, o que pode dificultar a contenção do surto, segundo indica um estudo de pesquisadores chineses publicado na sexta-feira, 24, no periódico The Lancet. A conclusão vem da análise do histórico de uma família chinesa que teve seis integrantes infectados pelo vírus. /COM AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.