Divulgação/CDC
Divulgação/CDC

Mortes por malária caem 20% em uma década, diz OMS

Segundo organização, cerca de metade da população mundial corre o risco de pegar a doença

Agência Estado

18 de outubro de 2011 | 09h21

A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou, em relatório divulgado em seu site, que o número de mortes causadas pela malária caiu cerca de 20% no mundo. Segundo a entidade, em 2009 ocorreram 781 mil mortes causadas pela doença, a maioria delas entre crianças na África. Já em 2000 as mortes pela malária ficaram em 985 mil.

Na África, uma criança morre a cada 45 segundos de malária e a doença representa 20% de todas as mortes na infância, alerta a OMS. A malária é causada pelo Plasmodium, que se dissemina através da picada do mosquito anófeles infectado. A OMS lembra que é possível prevenir a doença e, mesmo após a infecção, é possível tratá-la. 

No aspecto econômico, a entidade aponta que a malária pode reduzir o Produto Interno Bruto (PIB) de um país com altas taxas de contaminação em até 1,3%. 

 

Segundo a OMS, cerca de metade da população mundial corre o risco de pegar malária. Além da África Subsaariana, área de maior risco, a entidade aponta Ásia, América Latina e, em menor grau, Oriente Médio e partes da Europa como áreas onde há o problema. "Em 2009, a malária esteve presente em 108 países e territórios", aponta a entidade. 

 

O relatório aponta que vários países têm conseguido avançar no combate à malária. Sete países conseguiram eliminar a malária e estão trabalhando para evitar a reintrodução da doença e dez países monitoram a doença para zerar o número de casos. Somente quatro países têm o título de livres da malária concedido pela OMS, entre eles, o Marrocos. No entanto, a malária é considerada endêmica em pelo menos 108 países, e cerca de 40% da população mundial correm risco de contrair a doença. 

 

A malária é causada por um parasita, transmitido pela picada da fêmea infectada do mosquito Anopheles. Os sintomas são fraqueza, febre alta, calafrios e dores de cabeça e no corpo. Uma pessoa pode ser infectada várias vezes. Não há vacina contra a malária. As formas de prevenção são o uso de telas em portas e janelas, mosquiteiros com inseticida e repelentes.

 

Viajantes de áreas livres de malária são muito vulneráveis a doença quando infectados, nota ainda a OMS em seu site. A malária causa febre aguda, dor de cabeça, calafrios e vômitos. Se não tratada adequadamente, e rápido, pode levar à morte.

 

No Brasil, a doença é endêmica na Amazônia Legal, que responde por 90% dos casos registrados no país. Em setembro, o Ministério da Saúde anunciou que 47 municípios da região vão receber 1,1 milhão de mosquiteiros ou cortinados impregnados com inseticida de longa duração. 

 

(Com Agência Brasil)

Tudo o que sabemos sobre:
Mundomaláriasaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.