Ronald Zak/AP
Ronald Zak/AP

Motorista com braço biônico morre em acidente de carro

Seu braço esquerdo era uma prótese especial que reconhecia sinais produzidos pelo cérebro

Associated Press, AP

22 Outubro 2010 | 15h49

Um austríaco que foi o primeiro europeu a usar um braço artificial de alta tecnologia morreu depois que o carro que conduzia saiu da rua e se chocou com uma árvore.

 

Christian Kandlbauer, de 22 anos, havia perdido ambos os braços em 2005, mas vinha conseguindo levar uma vida quase normal graças a uma prótese robótica controlada pela mente que usava no lugar do braço esquerdo e a uma prótese comum no lugar  do direito.

 

O homem de 22 anos morreu nesta quinta-feira, informa Andreas Waltensdorfer, médico de um hospital da cidade de Graz, onde Kandlbauer estava internado em estado grave desde terça-feira, o dia do acidente.

 

A causa do acidente não está clara. Tanto a polícia quanto o médico dizem que é impossível determinar se o desastre foi provado por problemas nas próteses.

 

Kandlbauer, que dirigia até o trabalho toda manhã, depois de obter uma carta de motorista há um ano, dizia que sua qualidade de vida havia melhorado dramaticamente por causa da prótese biônica, que reconhecia sinais de seu cérebro e respondia de acordo.

 

Para que a prótese funcionasse, quatro nervos de Kandlbauer foram desviados para os músculos do peito esquerdo, disse o especialista Hubert Egger.

 

O carro de Kandlbauer tinha adaptações especiais, incluindo um frio de mão modificado botões para operar funções como limpador de para-brisa.

Mais conteúdo sobre:
biônico prótese mente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.