Felipe Scozzafave/Estadão
Felipe Scozzafave/Estadão

MP libera capital estrangeiro em hospitais do País

Mudança tem potencial para provocar impacto significativo na saúde nacional e, nem bem foi divulgada, já começa a criar polêmica

Lígia Formenti, O Estado de S. Paulo

22 de janeiro de 2015 | 03h00

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff sancionou nesta semana o artigo 143 da Medida Provisória 656/2014, que permite investimentos estrangeiros nos serviços de saúde, como clínicas e hospitais. Incluída como “contrabando” na MP que trata de incentivos fiscais à importação de peças para aerogeradores, a mudança tem potencial para provocar impacto significativo no cenário de saúde nacional e, nem bem foi divulgada, já começa a criar polêmica.

Para o presidente do Conselho de Administração da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), Francisco Balestrin, a medida representa um alívio para o setor. “Há perspectiva de entrada de recursos novos.” Ele acredita que o capital poderá até facilitar o investimento nas Santas Casas.

Já o presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva, Luís Eugênio Souza, tem visão oposta. Ele acredita que a permissão da entrada de capital estrangeiro aumenta o risco de oligopólio. “Haverá uma pressão para compra de pequenos centros”, disse.

Associações ligadas à saúde coletiva e entidades que reúnem sanitaristas prometem ingressar com uma ação no STF, buscando a declaração de inconstitucionalidade do artigo. “Vamos fazer de tudo para reverter”, disse Souza.

Regularização. O ingresso de capital estrangeiro na saúde brasileira não vem de hoje. A primeira brecha ocorreu em 1998, com a lei que regulamenta o setor de Planos de Saúde. Para Balestrin, a medida vem corrigir uma distorção. “A participação estrangeira já está aí. Agora ela vai ocorrer de forma clara.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.