MPE deve pedir na Justiça saída de provedor da Santa Casa

MPE deve pedir na Justiça saída de provedor da Santa Casa

Promotor afirma que medida será usada como terceira alternativa caso a renúncia não seja espontânea ou ocorra por iniciativa dos membros da Irmandade da Santa Casa

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

18 Dezembro 2014 | 03h00

O Ministério Público Estadual (MPE) deverá propor, em janeiro, uma ação civil pública pedindo à Justiça a destituição de Kalil Rocha Abdalla do cargo de provedor da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

Responsável por inquérito civil que investiga possíveis falhas de gestão na instituição, o promotor Arthur Pinto Filho afirmou nesta quarta-feira, 17, ao Estado que a medida será usada como terceira alternativa caso a renúncia não seja espontânea ou ocorra por iniciativa dos membros da Irmandade da Santa Casa.


“Espero que a Santa Casa tenha força para expurgar e responder à sociedade de São Paulo e do Brasil que não tem a ver com desmandos. Se isso não acontecer, não tenho a menor dúvida de que entraremos com ação pedindo a saída do provedor por absoluta incompetência e incapacidade de continuar gerindo uma instituição como aquela”, disse.

O promotor explica que, embora a Santa Casa seja uma entidade privada, a Justiça pode interferir na estrutura administrativa da instituição porque ela recebe dinheiro público. “Apesar de ser uma entidade privada, ela trabalha fundamentalmente com dinheiro do Sistema Único de Saúde. Esse dinheiro que está sendo mal gerido é dinheiro público”, afirmou. “Em que situação ficam o secretário e o ministro da Saúde de ter de, todo fim do mês ou início do mês, repassar verba para a Santa Casa em uma gestão desse nível?”, questionou.

Conforme revelado pelo Estado na semana passada, membros da Irmandade da Santa Casa se articulam para pedir a renúncia do provedor antes mesmo da ação da Promotoria. Segundo o regimento da instituição, são necessárias assinaturas de um quinto dos irmãos para que uma assembleia-geral seja convocada e a renúncia seja colocada em pauta. Como a Irmandade tem cerca de 500 integrantes, os opositores precisam de cem assinaturas.

Mais conteúdo sobre:
Santa CasaKalil Rocha Abdalla

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.