MS registra 470 casos de dengue por dia

A cada três minutos surge uma notificação sobre dengue em Mato Grosso do Sul. Segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde, são quase 470 casos/dia. E não há previsão para redução desse avanço, de acordo com a titular da pasta, Beatriz Dobashi, explicando que "uma pessoa que é picada pelo Aedes aegypti hoje pode demonstrar os sintomas depois de cinco dias". O motivo do aumento dos casos é a falta de prevenção e as contínuas chuvas que desabam sobre o Estado. Os ovos do mosquito transmissor da dengue são depositados durante o período seco em qualquer lugar onde possa acumular água. E a eclosão pode demorar até um ano. Entre esses locais estão as belas bromélias. Cada folha possui um deposito de água, junto ao caule. Os vereadores de Campo Grande, onde estão sendo registradas 60% das ocorrências do gênero, tentaram ontem votar um projeto de lei, disciplinando o comércio e produção da planta Depois de muitas discussões, o projeto ficou para ser analisado no próximo dia 10. Lixo em terrenos baldios, imóveis desocupados ou abandonados também facilitam a proliferação. Os vereadores também tentaram aprovar uma lei, fixando multas que variam entre R$ 100,00 e R$ 800,00 para quem tiver imóveis com focos de Aedes aegypti. A votação seria no último dia 6, mas os proprietários em líderes do setor imobiliários fizeram pressão e o projeto não foi votado. Ficou para o próximo dia 10. Em Três Lagoas, região leste do MS, na divisa com São Paulo, a Justiça entrou na questão e não espera novas leis para agir. O juiz da 4ª Vara Cível, Márcio Rogério Alves, autorizou a prefeitura do município a permitir a entrada de agentes de saúde em imóveis fechados, casas para locação, terrenos baldios e até mesmo em residências em que o morador não permita o acesso. O magistrado determinou ainda que um oficial de justiça, um policial e um chaveiro acompanhem as 'invasões' junto com os agentes de saúde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.