Mudanças podem prevenir câncer de mama, diz estudo

Para alcançar a redução no número de casos, o índice de obesidade deveria cair para os níveis dos anos 80

BBC Brasil

30 de setembro de 2007 | 14h14

Pequenas mudanças no estilo de vida das mulheres poderiam impedir um em cada dez casos de câncer de mama até 2024, segundo um estudo da organização Cancer Research UK.  Entre as alterações na rotina estariam a prática de exercícios, a amamentação e uma redução no uso de terapias hormonais e no consumo de bebidas alcoólicas.  Max Parkin, que conduziu a pesquisa, diz que as terapias hormonais de longo prazo foram identificadas como o principal fator de risco a ser atacado e tem esperanças de que seu uso continue a cair nos próximos cinco anos.  Ele afirmou ainda que, para alcançar a redução no número de casos de câncer de mama, o índice de obesidade deveria cair para os níveis dos anos 80. O pesquisador também recomenda que as mulheres façam trinta minutos de exercício cinco vezes por semana nos próximos três anos e pede que não consumam mais de duas unidades de álcool por dia, o equivalente a uma taça de vinho ou a uma lata de 500 ml de cerveja.  Parkin também destaca os benefícios da amamentação contra o câncer de mama e afirma que o ideal seria que as mães amamentassem por pelo menos 6 meses.  Sara Hiom, da Cancer Research UK, no entanto, faz uma ressalva: "Cada mulher deve fazer escolhas sobre sua saúde baseada em suas circunstâncias particulares - por exemplo, se há motivos médicos que indicam a necessidade de uma terapia hormonal e os benefícios do tratamento pesam mais que as desvantagens".  Especialistas lembram também que a idade aumenta o risco de câncer de mama e que mesmo mulheres com estilo de vida saudável devem fazer o auto-exame e as mamografias. "Quanto mais cedo o câncer de mama é detectado, maiores são as chances de sucesso do tratamento", diz a médica Sarah Cant, da Organização Não-Governamental Breakthrough Breast Cancer.

Tudo o que sabemos sobre:
câncer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.