Mulher atacada por chimpanzé recebe transplante de face nos EUA

Uma mulher de Connecticut, nos EUA, que foi atacada por um chimpanzé em 2009 recebeu um transplante completo de face, na terceira cirurgia deste tipo feita nos Estados Unidos, informou o Hospital Brigham and Woman's, de Boston, nesta sexta-feira.

LAUREN KEI, REUTERS

10 Junho 2011 | 18h27

Charla Nash, 57, foi ferida depois que Travis, o chimpanzé de estimação de 91 quilogramas de uma amiga, teve um acesso de fúria. Ela perdeu as mãos, lábios, nariz e olhos, ficando desfigurada depois do ataque. O animal foi baleado e morto pela polícia.

"Para nós, ela não é a mulher que foi atacada pelo chimpanzé. Para nós, Charla é uma pessoa forte e corajosa que inspirou a equipe a fazer tudo o que fosse possível dentro dos nossos conhecimentos para restaurar a sua qualidade de vida", disse o Dr. Bohdan Pomahac, líder da equipe cirúrgica.

O rosto de Nash foi reconstruído no mês passado por uma equipe médica com mais de 30 médicos, enfermeiros, anestesistas e médicos residentes em um desafio cirúrgico que foi ainda mais complexo por conta do transplante duplo de mãos.

Em mais de 20 horas, a equipe substituiu o nariz de Nash, os seus lábios, a pele, os músculos e os nervos do rosto. Como parte do procedimento, Nash também recebeu dentes e um palato de um doador anônimo.

O hospital disse que o duplo transplante de mão foi um sucesso, mas as mãos não suportaram depois de complicações causadas por uma pneumonia e foram removidas.

Nash recuperou o uso do polegar da sua mão direita, que ficou intacto depois do ataque. Os médicos estão otimistas sobre a possibilidade de tentar outro transplante de mão no futuro se um doador for encontrado.

Conforme ela se recupera, os médicos esperam que Nash restabeleça o seu olfato assim como sentir sensações em seu rosto. A sua capacidade de falar vai melhorar imediatamente. Com o tempo, ela vai ser capaz de sorrir, expressar emoções e comer normalmente, eles disseram.

Em uma dieta de comida transformada em purê desde o ataque, ela está ansiosa para comer o hot dog e a pizza dos seus restaurantes favoritos, disse o seu irmão Steve Nash.

Médicos acreditam que Nash terá uma vida social mais normal depois da cirurgia. Antes do transplante, ela decidiu não participar da formatura da sua filha única com medo de que ela seria uma distração na ocasião.

Brigham and Women's, um afiliado da Escola de Medicina de Harvard, teve sucesso nos dois transplantes de face anteriores que tentou neste ano.

Dallas Wiens, de 26 anos, foi o primeiro paciente a receber um transplante facial completo nos Estados Unidos. Ele voltou para o Texas no mês passado para ficar com a sua filha. Lá, ele vai continuar a sua reabilitação dos músculos faciais e retomar a sua vida normal.

O primeiro transplante de face bem-sucedido foi feito na Espanha em 2010.

Mais conteúdo sobre:
CIENCIA TRANSPLANTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.