Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Thais Arbex/Estadão
Thais Arbex/Estadão

Mulher é morta a marretadas em estação de metrô do centro de São Paulo

Agressor disse à polícia ter ouvido vozes e tomar remédios; homem de 55 anos foi preso em flagrante

João Ker, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2021 | 18h47
Atualizado 27 de abril de 2021 | 19h59

Uma mulher de 46 anos foi assassinada a marretadas em um vagão do Metrô na cidade de São Paulo durante a madrugada da segunda-feira, 26, por volta das 5h10. A informação foi confirmada pela empresa, que afirmou ter detido o agressor e encaminhado a vítima a um posto de saúde logo após a ocorrência.

O assassinato foi cometido na linha 1 - Azul do metrô, em um vagão estacionado na estação da Sé, na região central da cidade, sentido Tucuruvi. Imagens divulgadas pelo perfil SP Sobre Trilhos mostram a vítima desacordada no chão do vagão, deitada em uma poça de sangue. 

Conforme a Secretaria de Segurança Pública, o agressor era um homem de 55 anos e aposentado. Ele foi preso em flagrante por tentativa de homicídio. No boletim de ocorrência, os agentes de segurança do metrô afirmam que estavam na plataforma superior quando “ouviram uma gritaria na plataforma” e, ao descerem, encontraram o agressor sendo linchado pelos outros passageiros. “Uma das testemunhas contou que o aposentado estava em pé e de repente, armado com uma marreta, foi para cima da vítima, que estava sentada”, diz o relatório.

De acordo com o Metrô, a vítima foi socorrida imediatamente e encaminhada à Santa Casa. Após o atendimento, a mulher não suportou os ferimentos e morreu. O caso foi registrado na Delegacia de Polícia Do Metropolitano (Delpom) como homicídio qualificado tentado, quando o crime é praticado por “motivo fútil” ou “à traição ou mediante dissimulação ou outro recurso”. A SSP informa que apreendeu a marreta usada no crime e uma faca carregada pelo agressor. 

O suspeito teria dito aos policiais que “toma remédios” e “ouviu vozes” no momento do crime. Ele segue internado e sob escolta policial, após ter sido agredido pelos outros passageiros. A SSP afirma que o aposentado será encaminhado à unidade policial e ao sistema carcerário assim que receber alta.

Em nota, o Metrô disse lamentar o ocorrido, repudiar "qualquer ato de violência". A empresa pede que os passageiros denunciem "ações inadequadas e comportamentos suspeitos" a um funcionário, através do SMS-Denuncia (11 97333-2252) ou do aplicativo Metrô Conecta. Ambos os serviços garantem anonimato do denunciante. 

Tudo o que sabemos sobre:
Polícia Civil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.