Mulheres obesas dão à luz crianças menos inteligentes

Cientistas especulam que desenvolvimento do cérebro no útero pode ser sensível a características da mãe

estadao.com.br,

10 de maio de 2012 | 17h51

 Uma nova pesquisa sugere que se uma criança nasce de uma mãe obesa é provável que ela tenha funções cognitivas significativamente mais baixas que uma criança nascida de uma mulher com peso saudável.

Um estudo observacional, que avaliou 3.412 participantes, descobriu uma forte ligação entre obesidade antes da gravidez e notas em testes de matemática e português. De fato, pesquisadores observaram uma queda de três pontos nas notas de leitura e dois pontos em matemática - uma diferença de 3% em testes nas idades entre cinco e sete anos. Pamela Salsberry, uma das autoras da Universidade de Ohio, diz: "os resultados sugerem que as crianças nascidas de mulheres que eram obesas antes da gestação precisaram suporte extra. É importante entender que a obesidade materna durante a gravidez pode ter implicações na criança".

Os dados, publicados no periódico Maternal and Child Health Journal, foram controlados para outras variáveis, como nível sócio-econômico, nível de educação dos pais e ambiente familiar. Isso significa que é possível dizer com alguma certeza que o efeito está ligado ao peso da mãe.

Enquanto não está claro exatamente por que a obesidade materna pode reduzir a função cognitiva, os autores especulam que o desenvolvimento do cérebro no útero pode ser sensível a características da mãe - assim como o desenvolvimento do coração, do fígado e do pâncreas são.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.