Mulheres têm ganhos rápidos de saúde quando param de fumar

Estudo norte-americano aponta para uma diminuição do risco de morte de 13% em apenas cinco anos

Reuters

06 de maio de 2008 | 20h01

Mulheres que param de fumar têm grandes avanços de saúde dentro de cinco anos, mas pode levar décadas até a correção dos danos respiratórios causados e diminuição do risco de câncer de pulmão, disseram cientistas nesta terça-feira, 6.  Aquelas que abandonaram o hábito apresentaram uma redução de cerca de 13% no risco de morte em todas as causas, incluindo problemas vasculares e de coração, dentro de cinco anos. A partir de 20 anos, o risco de morte por qualquer causa foi a mesma para os ex-fumantes que para quem nunca fumou, encontrou o estudo. O relatório também encontrou que as mulheres que começaram a fumar mais tarde têm um menor risco de desenvolver doenças de pulmão e coração. "Nossas descobertas indicam que 64% das mortes de fumantes e 28% das mortes de ex-fumantes são atribuídas ao hábito de fumar", disse Stacey Kenfield da Escola de Saúde Pública de Harvard, Boston, que escreveu com colegas o relatório publicado no jornal da Associação Médica Americana. "Parar de fumar reduz o excesso das taxas de mortalidade para todas as principais causas de morte examinadas", disseram. Os achados são os mais recentes de um estudo que abrange mais de 120 mil enfermeiras cujos históricos de saúde foram iniciados em 1976 e acompanhados por vários anos.  Em todo o mundo, cerca de cinco milhões de mortes prematuras foram atribuídas ao tabagismo em 2000, disseram os pesquisadores.

Tudo o que sabemos sobre:
tabagismomulheres

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.