Anja Niedringhaus/AP
Anja Niedringhaus/AP

Mundo respondeu tarde à emergência internacional da covid-19, diz comitê independente da OMS

Relatório apresentado pelo Comitê Consultivo Independente do Programa de Emergências avalia a resposta da entidade à pandemia do novo coronavírus

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de outubro de 2020 | 10h46

O mundo não levou a sério a declaração internacional de emergência para a covid-19 emitida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 30 de janeiro, por isso seria necessário propor diferentes mecanismos de alerta para futuras pandemias, concluiu o relatório apresentado pelo Comitê Consultivo Independente do Programa de Emergências da OMS nesta terça-feira, 6.

A emergência internacional, devido a uma doença que na época ainda era chamada de coronavírus de Wuhan, "não motivou os países a implementar medidas de saúde pública para a covid-19", disse a médica britânica Felicity Harvey ao apresentar o estudo preliminar, que focou nos primeiros quatro meses da pandemia. Diante disso, os países membros da OMS têm dúvidas se esse tipo de declaração de emergência é suficiente ou se novas fórmulas devem ser utilizadas, frisou a especialista, que lidera o comitê.

O relatório, que será atualizado em novembro, conclui que a OMS "mostrou liderança e fez progressos importantes na resposta à pandemia, levando em consideração a natureza nova do vírus e os fatores desconhecidos envolvidos". No entanto, observou Felicity, a politização em muitos casos "tem sido um obstáculo material para derrotar o vírus" e o nível geral de dados fornecidos pelas redes nacionais de saúde sobre os casos de covid-19 "precisa melhorar".

“A OMS não pode derrotar este vírus sem o apoio unificado dos países-membros nas próximas fases da pandemia”, ressaltou a médica, que observou que a pandemia “fortaleceu a liderança da organização no sistema das Nações Unidas”.

Apesar disso, enfatizou Felicity, a organização sofre de problemas de financiamento que impedem o gerenciamento ideal de emergências de saúde, então ela pediu aos membros da OMS que analisassem suas necessidades pecuniárias. “O orçamento de menos de US$ 300 milhões por ano é muito pouco para responder e coordenar uma resposta global à pandemia”, disse ela.

O comitê chefiado por Felicity é um dos três que está avaliando a resposta da OMS à pandemia, e o único que apresentou resultados preliminares de suas investigações ao Conselho Executivo da organização, já que os outros dois estão em processo inicial de criação.

Um deles é o Painel Independente presidido pela ex-primeira-ministra da Nova Zelândia Helen Clark e a ex-presidente da Libéria, Ellen Johnson Sirleaf, que, nesta terça, confirmou os outros nove membros que farão parte deste órgão imparcial. Entre eles estão o ex-presidente mexicano Ernesto Zedillo e o ex-ministro da Fazenda da Colômbia, Mauricio Cárdenas.

Este painel independente foi autorizado pela OMS em sua última assembleia anual, em resposta às críticas de alguns países - especialmente dos Estados Unidos - pelo manejo inicial da pandemia e da dependência excessiva de dados preliminares fornecidos pela China, país onde ocorreram os primeiros casos de covid-19./ EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.