MARINHA DO BRASIL
MARINHA DO BRASIL

Na Antártida, brasileiros vivem isolamento dentro do isolamento

Dezesseis militares da Marinha do Brasil estão na Estação Comandante Ferraz, no único continente sem casos

Luciana Garbin, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2020 | 05h00

Eles são hoje o único grupo de brasileiros no único continente livre da covid-19. Dezesseis militares da Marinha do Brasil — 15 homens e uma mulher — que desde janeiro ocupam a nova Estação Antártica Comandante Ferraz. Escolhidos para a missão de passar 13 meses na Antártida muito antes de o novo coronavírus surgir na China, eles se dividem entre o alívio de estar longe da doença e a preocupação de ter de acompanhar a distância o que ocorre com parentes e amigos no Brasil.

"É uma mistura de sentimentos”, resume o capitão de fragata Luciano de Assis Luiz, chefe da estação. “Fico alegre por mim e por minha equipe porque somos privilegiados por não ter contato com a doença, mas triste porque nossos familiares estão no Brasil vivendo isso e não temos como dar o aporte necessário se vierem a pegar a doença."

Luciano falou com o Estadão por videochamada na terça-feira, 19. Estava ao lado da médica e capitã-tenente Letízia Aurilio Matos. Ela conta que os pais são idosos e saíram do Rio por causa da pandemia. Uma prima — médica como ela — testou positivo para a covid-19 e está se tratando em casa.

“Não é fácil não", resume. “Ficar longe gera uma ansiedade. Mas a gente pede para a família falar a verdade. Está todo mundo bem realmente? Marco horário, faço reunião pelo computador e digo 'quero ver tal e tal pessoa'. Porque às vezes eles querem nos proteger, dizer que está tudo bem, mas só ficamos aliviados quando vemos todo mundo. A gente se preparou para o isolamento, eles não."

Os 16 militares brasileiros hoje na Antártida compõem o chamado Grupo-Base Ferraz. Eles desembarcaram na Ilha Rei George, onde fica a estação brasileira, em 4 de novembro de 2019 com a missão de permanecer ali até a primeira quinzena de dezembro deste ano. Ocuparam a princípio o Módulo Antártico Emergencial (MAE) até a inauguração oficial da estação, em 15 de janeiro.

O maior desafio é atravessar o inverno, quando a sensação térmica cai a menos de 20 graus negativos, a escuridão cobre 20 das 24 horas do dia e os mares em volta da estação congelam. De meados de março, quando os dois navios da Marinha que viajam para a região vão embora, até novembro, quando as embarcações retornam levando militares e pesquisadores, eles permanecem isolados.

Neste ano, por causa da covid-19, estão tendo de viver um isolamento dentro do isolamento. Em épocas normais, são comuns, por exemplo, as visitas à Estação Polonesa Henryk Arctowski, a mais próxima da base brasileira, distante cerca de nove quilômetros. Mas agora, por causa da pandemia, o contato com os vizinhos é só por vídeo ou WhatsApp.

"Ninguém aqui ou lá apresentou sintoma do vírus. Mesmo assim, estamos mantendo o isolamento”, explica Luciano. "É lógico que, caso tenha necessidade de salvar uma vida ou de mantimentos, por exemplo, algo que afete a estadia na Antártida, teremos contato com eles, mas por precaução estamos deixando essa possibilidade apenas para algum caso de emergência."

Outra missão extra causada pela pandemia deverá ser a desinfecção dos produtos atirados pelos Hércules C-130 da Força Aérea Brasileira (FAB) durante o inverno. Como não é possível pousar na estação brasileira, o cargueiro voa periodicamente sobre ela nos meses mais frios do ano e despeja palets com produtos perecíveis e outro itens de necessidade.

Para evitar que o vírus chegue até a estação por meio desses carregamentos, foi criado um protocolo de limpeza de todo o material desde a origem, no Rio de Janeiro, bem como dos compartimentos do avião. Já em solo antártico, o grupo-base reforçará a desinfecção para que o vírus não atinja o último continente ainda livre de contágio. Ainda não há data prevista para o primeiro voo.

Outro cuidado deverá ser com a tripulação dos navios quando as viagens marítimas forem retomadas, no fim de 2020. Segundo o chefe da Comandante Ferraz, todos terão de fazer exames para ver se têm o novo coronavírus, assim como os integrantes do grupo-base que substituirá o atual. "Nós estaremos há 13 meses isolados e nossa imunidade, querendo ou não, estará mais baixa para qualquer outro vírus. Então é importante que esses exames sejam feitos antes de eles virem para cá”, afirma Luciano.

Dependendo da evolução da pandemia no Brasil, até a próxima Operação Antártica Brasileira (Operantar) pode ser afetada. "Caso seja encontrada uma vacina, uma cura, a Operantar poderá seguir sua programação normal. Mas, se fosse pegar a situação atual e levar para o final do ano, eu diria que a nossa operação será basicamente logística, de aporte de mantimentos e combustível para estação, mas reduzindo bastante as pesquisas”, diz o oficial. "Porque muitas pesquisas são realizadas nos navios e quanto mais pessoas no navio pior caso venha a se propagar esse vírus."

Nem o frio que afasta tantos microorganismos da Antártida promete ter efeito sobre a doença. Letízia conta que pesquisas já identificaram outros vírus, como o H1N1, por exemplo, em fezes de aves na região. E ainda não é possível saber o estrago que a covid-19 poderia fazer por lá. 

"Esse vírus não tem critério. Até o momento nenhum cientista conseguiu identificar qual é a temperatura em que ele vai morrer”, explica a médica. "No início se chegou a cogitar por exemplo que não sobreviveria em temperaturas a partir de 26ºC. Mas ele tem causado mortes em Manaus, que é muito quente. No continente antártico não dá pra saber. Até agora não tem nada estabelecido sobre isso.” Por isso, o negócio é o isolamento. No dia da conversa com o Estadão, fazia - 4ºC na região da estação brasileira e a sensação térmica era de - 6ºC. 

E o que a experiência do isolamento na Antártida pode ensinar aos brasileiros que estão tendo de encarar o confinamento por aqui? "O primeiro ponto é a rotina”, resume Luciano. "Tem de ter uma rotina, um trabalho a seguir durante o dia." A regra na estação é acordar às 8h e tomar café às 8h30. No refeitório, todos se encontram e trocam informações. A partir daí, o trabalho vai durar até as 16h, com pausa para o almoço às 12h. Depois, cada um está livre para fazer o que quiser — ir na academia ou assistir a um filme, por exemplo.

Até o jantar, às 18h, e a hora de ir dormir, em que cada um vai para seu camarote. Há ainda o que chama de momentos de congraçamento, onde o grupo todo se reúne para comemorar um aniversário ou outra atividade do tipo. "A gente tenta dividir esses momentos como se estivesse no Brasil”, continua o chefe da estação. "O trabalho ajuda na manutenção mental. Para quem fica em isolamento durante muito tempo, essa higiene mental é salutar e muito importante."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.