FELIPE RAU/ESTADAO
FELIPE RAU/ESTADAO
Imagem Daniel Martins de Barros
Colunista
Daniel Martins de Barros
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Na pandemia, anestesia psíquica reduz percepção do valor de salvar vidas

Escalada de mortes pela covid também embaça a capacidade de avaliar perdas; falta invocar empatia no momento certo

Daniel Martins de Barros*, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2021 | 05h00

A imaginação humana é uma poderosa arma não domesticada. Sua força está em seu enorme potencial, capaz de criar e manipular cenários em combinações praticamente infinitas. Tal poder é, ao mesmo tempo, a raiz de seu descontrole, pois quanto mais possibilidades nossa mente nos apresenta, menor a probabilidade de acertar na previsão do que realmente acontecerá. Expectativa e realidade raramente coincidem, como mostram os memes na internet.

Há um ano, como você imaginava que seria o desenrolar da pandemia? Meus devaneios antecipavam o apocalipse zumbi, por um lado, ou um mero susto, por outro. Temia o pior, esperava o melhor. (Ou seria o contrário?) Mas veio a realidade, que paradoxalmente tem um pouco de cada cenário. No lado catastrófico, quase 250 mil mortos, mais de dez milhões infectados, a maioria carregando alguma sequela maior ou menor. Centenas de milhares de famílias em luto. Tal realidade convive com a da vida normal para outros milhões de cidadãos. 

Não só para aquela minoria - barulhenta e incômoda - que ignora a pandemia, mas também para o grande contingente que, com as adaptações necessárias, acorda cedo, coloca os filhos na escola e trabalha - online ou não -, passeia onde dá, lamenta as perdas quando elas chegam, e segue em frente.

Se isso é verdade, precisamos de estratégias diferentes para lidar com dois problemas diferentes: a atitude de quem não foi diretamente afetado pela pandemia e o sofrimento das que foram. Uma visa a mobilizar indivíduos em prol da coletividade. Outra, mobilizar a coletividade em prol dos indivíduos. A primeira se alcança só com coerção, não tem jeito. Não adianta apelar para a compaixão, brandir números de mortes. Não é maldade. Não é falta de empatia. É do ser humano. 

A morte nessa escala industrial pode ser compreendida como tragédia nacional, mas não será sentida como pessoal - ninguém perdeu 250 mil amigos próximos. Tanto é assim que quanto mais mortes, menos parecemos ser afetados. A frase famosa de que a morte de alguém é tragédia, mas a de milhões é estatística tem sido confirmada por pesquisas científicas. Quanto mais afetados por um evento, menos impacto sobre as pessoas. A anestesia psíquica reduz a percepção do valor de salvar vidas e embaça a capacidade de avaliar perdas. A gente passa a se importar mais com a proporção de salvos do que com o número absoluto de mortes. 

Não é coincidência que diuturnamente testemunhemos uma guerra de narrativas sobre a pandemia. Um lado mostrando o número de mortos no País, outro insistindo em apresentar as mortes por milhão. Para mudar o comportamento individual de quem não foi pessoalmente afetado, a estratégia tem de ser obrigatoriedade de máscaras, proibição de aglomerações, fiscalização rigorosa, multa, sanções.

Para os milhares pessoalmente afetados, a história é outra. Embora a maioria das pessoas atravessando essas situações esteja em luto e não doentes, isso não significa que elas não se beneficiem de algum tipo de ajuda.

Não é o caso de mandar todos para um psiquiatra ou fazerem terapia. Mas podemos trabalhar coletivamente para aliviar o sofrimento generalizado, que não poupou nenhuma cidade. Aí o impacto emocional tem sentido. Quando individualizamos o sofrimento e contamos a história da pessoa enlutada pela morte da esposa, aflita pela perda do emprego, ansiosa pela doença do pai, temos mais facilidade de sentir empatia. 

Pode ser a ferramenta mais importante a nos levar a cuidar uns dos outros. Ela que nos fará oferecer um pouco de nosso tempo a um amigo, escutar sem julgar, perguntar “como posso ajudar?”, antes de dar opinião ou sugestão, e auxiliar na busca por ajuda profissional quando nada disso der resultado. 

Cansamos de falar da importância de cuidar da coletividade e inutilmente cobramos empatia num contexto em que ela não ajudaria. É hora de ressaltar a importância de cuidar dos indivíduos. Não falta empatia ao brasileiro. Falta invocá-la no contexto correto.

* É PROFESSOR COLABORADOR DO DEPARTAMENTO E INSTITUTO DE PSIQUIATRIA DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (FMUSP) 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.