Não dá pra resolver desafio da covid na cidade de São Paulo sem região metropolitana; leia análise
Imagem Gonzalo Vecina
Colunista
Gonzalo Vecina
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Não dá pra resolver desafio da covid na cidade de São Paulo sem região metropolitana; leia análise

Estamos em um momento de exceção, e isso deveria levar o Município a dialogar com o Estado também sobre a região metropolitana

Gonzalo Vecina*, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2021 | 05h00

Temos de pensar em manchas populacionais. Não dá para resolver a situação da capital sem pensar na mancha populacional conurbada da Grande São Paulo. Estamos em um momento de exceção, e isso deveria levar o Município de São Paulo a dialogar com o Estado também sobre a região metropolitana. 

Deveríamos decretar lockdown. Teríamos de ser muito mais pesados com a redução da circulação de pessoas. Construção civil teria de ter parado, parar mais áreas do comércio e algumas industriais. Nós imitamos lockdown, mas não tivemos um. 

E como fiscalizar? Uma parte da população fica na rua: policiais. E já que não dá para contar com o Exército, porque o governo federal está fora da pandemia, temos as  polícias locais: metropolitana, civil e militar. E teria de haver sanção para não deixar quem foge da regra na impunidade. 

As medidas da Prefeitura são interessantes, de adiantar feriados e ampliar o rodízio. Seria melhor também aumentar o número de ônibus. Espero que não diminua o tempo de circulação de metrô e trens urbanos, que devem viajar com o mínimo de distancia entre uma composição e outra, para impedir aglomerações.

Já as medidas que o Estado tomou - de reduzir o ICMS da carne e do leite na tentativa de aumentar o acesso aos alimentos - são importantes, mas insuficientes. Teríamos de ter medidas mais no âmbito  federal, inclusive do ponto de vista socorrer o pequeno e médio empreendimento. Isso cria tranquilidade também para enfrentar esse momento econômico único. E finalmente o auxílio emergencial, de R$ 150, que é fraco, mas é melhor do que nada. Temos de fazer isso de maneira inteligente, garantir o acesso desse dinheiro a população mais desprovida de recursos, os mais pobres. 

*É MÉDICO SANITARISTA, EX-SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE DE SÃO PAULO E COLUNISTA DO ‘ESTADÃO’

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.