Mauro Pimentel / AFP
Mauro Pimentel / AFP

'Não há resposta positiva de saída até agora', diz Pazuello sobre importação de vacina da Índia

Sem citar uma data, o ministro da Saúde disse que recebeu a "sinalização" de que o embarque vai se resolver nesta semana. Brasil espera conseguir importar 2 milhões de doses do imunizante de Oxford/AstraZeneca

Mateus Vargas e Emilly Behnke, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2021 | 17h27

BRASÍLIA - O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse nesta segunda-feira, 18, que ainda não teve "resposta positiva" sobre a importação de 2 milhões de doses prontas da vacina de Oxford/AstraZeneca da Índia. Sem citar uma data, ele disse que recebeu a "sinalização" de que o embarque vai se resolver nesta semana.

"Todos os dias temos tido reuniões diplomáticas com a Índia. Estamos recebendo a sinalização de que isso deverá ser resolvido nos próximos dias dessa semana. Não tenho a resposta positiva até agora. Não há resposta positiva de saída até agora. Está sinalizado para os próximos dias dessa semana o embarque da carga para cá", disse Pazuello em entrevista à imprensa no Palácio do Planalto.


O general disse que o governo conta com 2 milhões de doses para "atender mais ainda a população". A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deu aval, no domingo, para o uso emergencial destas doses importadas da Índia e para a Coronavac

O governo queria enviar um avião, adesivado com campanha do governo federal, para a Índia na última sexta-feira, 15. A ideia era que no domingo, 17, as doses fossem recepcionadas por Pazuello no Rio de Janeiro. Mas a Índia frustrou os planos do governo ao apontar "problemas logísticos" para a entrega do produto. 

Apenas 6 milhões de doses da Coronavac estão disponíveis no Brasil para a vacinação. O governo também tenta liberar insumos da China para a Fiocruz fabricar no Brasil as doses de Oxford/AstraZeneca e o Instituto Butantã produzir a Coronavac.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.