Nasa adia lançamento de missão para estudar gravidade da Lua

Dois satélites idênticos serão lançados abordo do foguete United Launch Alliance Delta 2 para revelar as peculiaridades do campo gravitacional da Lua

Efe e Reuters

08 de setembro de 2011 | 09h59

 

WASHINGTON - A Nasa adiou nesta quinta-feira, 8, o lançamento uma nova missão à Lua, a Grail, por 24 horas. A agência espacial havia previsto o lançamento para 10h16, mas estabeleceu um período de até 42 dias para a partida da missão.

 

Mais de 100 espaçonaves já estiveram na Lua, incluindo seis tripuladas com astronautas norte-americanos, mas os cientistas ainda não têm uma peça chave de informação sobre o satélite: o que há dentro dele.

Aprender sobre o interior da Lua e seu campo gravitacional é o objetivo primordial da missão da Nasa chamada Gravity Recovery and Interior Laboratory, ou Grail (Graal, em português). As duas sondas proporcionarão imagens em raios X da crosta e do núcleo da Lua

 

Dois satélites idênticos serão lançados abordo do foguete United Launch Alliance Delta 2 para revelar as peculiaridades do campo gravitacional da Lua, o que dará aos cientistas pistas sobre o interior do satélite da Terra. A missão também ajudará a agência espacial americana a ter mais conhecimento sobre o satélite e aprimorar suas estimativas no caso de voltar a enviar homens à Lua novamente.

 

Entre outras utilidades, as medidas que serão tomadas pela Grail ajudarão a entender melhor a relação entre a Terra e seu satélite natural, segundo explicou recentemente o diretor da Divisão de Ciências Planetárias do quartel-general da Nasa em Washington, Jim Green.

 

De maneira geral, a Lua tem um sexto da gravidade da Terra, mas ela não é distribuída de maneira uniforme. No satélite, uma montanha pode realmente ser oca, gravitacionalmente falando. "Às vezes você vê uma grande montanha e espera um grande sinal de gravidade, mas na verdade você não recebe nenhum sinal adicional", disse Sami Asmar, cientista do projeto Grail.

 

Cientistas acreditam que os blocos que constituem a Lua são grandes pedaçoes de detritos que se desprenderam da Terra após uma colisão com um objeto tão grande quanto Marte. Além de esclarecer a origem da Lua, os cientistas pretendem levar seus achados para outros corpos rochosos.

 

Os dos satélites Grail vão realizar uma longa jornada pela Lua, chegando entre 31 de dezembro e 1º de janeiro. Depois de alguns meses para manobrar e entrar na órbita apropriada, os dois irão passar 82 dias voando sobre os polos lunares, ligados por ondas de rádio.

 

Quando uma das sondas passar por um ponto de gravidade mais alta, ela irá acelerar, mudando momentaneamente sua distância até a sonda-gêmea. Regiões menos densas também irão afetar a posição dos satélites. Usando as ondas de rádio como guias, mudanças de até um mícron - o tamanho de uma hemácia - podem ser detectadas.

 

Com os mapas de gravidade em mãos, os cientistas pretendem usar modelos computacionais e dados de outras missões lunares para determinas se o interior da Lua é sólido, líquido ou uma combinação dos dois.

Tudo o que sabemos sobre:
Grailmissão na LuaNasa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.