Dilvulgação/Nasa
Dilvulgação/Nasa

Nasa diz que fragmento de satélite já não ameaça estação espacial

Agência cancelou o plano de emergência após os controladores de voo concluírem que a peça, que mede cerca de dez centímetros, não atingiria a estação espacial

Efe

24 de novembro de 2011 | 07h51

WASHINGTON - A Nasa afirmou nesta quarta-feira que o fragmento do satélite chinês Fengyun 1C não representa risco para os três tripulantes Estação Espacial Internacional (ISS), e por isso eles não precisarão se refugiar na nave de emergência Soyuz.

 

A agência cancelou o plano de emergência após os controladores de voo concluírem que a peça, que mede cerca de dez centímetros, não atingiria a estação espacial.

 

Os três tripulantes, o comandante Dan Burbank e os engenheiros de Anton Shkaplerov e Anatoly Ivanishin, foram informados na terça-feira que teriam que se refugiar na nave Soyuz, que funciona como uma espécie de bote salva-vidas. A previsão inicial apontava para uma grande chance do fragmento atingir a ISS.

 

Os prognósticos diziam que a peça do satélite, destruído em 2007, poderia se aproximar a uma distância de 850 metros da estação. Segundo os procedimentos da Nasa, se houver tempo, diante da ameaça de um impacto o controle da missão afasta a estação da trajetória prevista.

 

Em casos urgentes, no entanto, as medidas de segurança aconselham os tripulantes a deixar a estação 30 minutos antes da aproximação de algum objeto.

 

Em 2009, os restos de um dispositivo utilizado para lançar um satélite quase impactaram a estação e os astronautas a bordo tiveram que deixar o local.

 

A Nasa acompanha cerca de 500 mil fragmentos, o chamado lixo espacial, que gira em órbita da Terra e viajam a velocidades de até 28 mil quilômetros por hora, o suficiente para danificar um satélite ou uma nave espacial. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.