Divulgação/Nasa
Divulgação/Nasa

Nasa encerra operação de satélite que mediu a idade do Universo

Sonda mediu em detalhes os vestígios do Big Bang e confirmou a existência da energia escura

estadão.com.br, estadão.com.br

06 Outubro 2010 | 12h19

A Nasa anunciou nesta quarta-feira, 6, que está encerrando as atividades do satélite Wilkinson Microwave Anisotropy Probe, ou WMAP, que realizou um mapeamento do fundo cósmico de micro-ondas, muitas vezes descrito como o brilho do Big Bang, e que permitiu que cientistas obtivessem a mais precisa estimativa da idade do Universo: 13,75 bilhões de anos, com margem de erro de 1%.

 

O WMAP opera desde 2001, e de acordo com o astrofísico da Nasa Gary Hinshaw, cientistas ainda estão ocupados analisando os dados levantados nesse período. O satélite foi criado para oferecer a visão mais detalhada possível das diferenças de temperatura no fundo de micro-ondas, que havia sido descoberto na década de 90 por outros satélite, o Cobe.

 

O WMAP fez sua última leitura de dados em 20 de agosto e, em 8 de setembro, disparou os foguetes que o tiraram de sua órbita de trabalho e o colocaram numa "órbita de estacionamento", ao redor do Sol.

 

"Lançamos a missão em 2001, conseguimos muito mais do que os objetivos científicos iniciais e agora chegou a hora de encerra com responsabilidade as operações do satélite", disse o principal cientista do programa WMAP, Charles Bennett.

 

O satélite detecta os vestígios da luz do jovem Universo, um padrão congelado no espaço quando o cosmo tinha apenas 380.000 anos. À medida que o Universo se expandia ao longo dos 13 bilhões de anos seguintes, essa luz vestigial foi esticada até atingir o comprimento de micro-ondas.

 

O WMAP mostrou que os átomos do tipo que compõe a matéria comum encontrada em planetas e estrelas correspondem a apenas 4,6% do Universo atual, e que a maior parte do cosmo é feita de duas entidades ainda incompreendidas.

 

A matéria escura, que perfaz 23% do Universo, é um material que ainda não foi detectado em laboratórios, embora seus efeitos sejam notados em escala cósmica. A energia escura é uma entidade que atua de forma oposta à gravidade e pode ser uma propriedade do espaço vazio. O WMAP confirmou sua existência e determinou que preenche 72% do cosmo.

Mais conteúdo sobre:
astronomiabig bangwmapnasa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.