Nasa lança satélite para monitorar mudanças climáticas

O chamado Projeto Preparatório NPOESS também irá criar uma ligação entre todos os satélites de observação da Terra que a agência espacial já tem

estadão.com.br com Efe

28 de outubro de 2011 | 09h13

 

SÃO PAULO - A agência espacial norte-americana (Nasa) lançou nesta sexta-feira, 28, o satélite do chamado Projeto Preparatório NPOESS (NPP, sigla que corresponde às palavras em inglês para o sistema de satélite ambiental com órbita polar). A decolagem de um foguete propulsor Delta II com o satélite foi realizada, como estava previsto, às 7h48 (de Brasília), da base aérea de Vandenberg na Califórnia.

 

Quando alcançar sua órbita, a cerca de 825 quilômetros da Terra, o satélite, avaliado em US$ 1,5 bilhão, empregará seus cinco instrumentos científicos em uma variedade de observações que ajudarão os meteorologistas em suas previsões e os cientistas que elaboram modelos do clima.

 

O satélite é a primeira missão a ter como objetivo coletar dados sobre a mudança climática da Terra e, também, sobre condições climáticas de curto prazo. Além disso, o NPP irá integrar todos os satélites de observação terrestre que a agência já lançou no passado (o chamado sistema EOS), criando uma ligação entre eles. Os cientistas esperam que o NPP traga uma melhor compreensão da mudança climática e seu impacto.

 

O NPP registrará dados das temperaturas na superfície dos oceanos e nas regiões terrestres do planeta, rastreará os níveis de ozônio e poeira atmosférica, medirá as mudanças na produtividade da vegetação e fará observações do gelo no mar, sobre terra e as geleiras no mundo todo.

 

Brasil. Na quinta-feira, 27, o Brasil assinou dois acordos de participação em missões de monitoramento terrestre. Um dos acordos formaliza a colaboração em uma missão para a medição das chuvas em todo o mundo, enquanto o outro inclui o Brasil na missão de análise da camada de Ozônio. 

 

A missão GPM - de medição de precipitação - é realizada em parceria com a agência espacial japonesa (Jaxa) e pretende fornecer informações avançadas sobre as características das chuvas e da neve em todo o mundo, além de criar mapas 3D detalhados das estruturas de precipitação.

 

Já a Missão Cooperativa Ozônio usa instrumentos lançados de Maxaranguape, no Rio Grande do Norte, para estudar a concentração de vários elementos que constituem a atmosfera terrestre.

Tudo o que sabemos sobre:
lançamentoNasasatélite

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.