Nasa lançará cápsula Orion em 2014 para realizar testes finais

Nave foi projetada para viajar além da órbita terrestre e, no futuro, chegar a destinos como Marte

Efe,

09 de novembro de 2011 | 17h17

 

WASHINGTON - A partir de 2014, a Nasa realizará um voo de teste não-tripulado com a nova cápsula Orion, elaborada para viajar além da órbita terrestre e, no futuro, chegar a destinos como o planeta Marte, informou nesta terça-feira, 8, a agência espacial americana.

O teste pretende analisar a maioria das capacidades da nave, como decolagem, entrada em órbita, aterrissagem e navegação, além da transmissão de dados críticos de rendimento do escudo térmico, que podem influenciar no desenho final do protótipo.

"Este voo de teste pode nos revelar informações valiosas para apoiar as missões de prospecção do espaço profundo, que os Estados Unidos estão desenvolvendo", indicou David Weaver, um porta-voz da agência espacial em comunicado.

A Nasa desenvolve esta nave espacial com o objetivo de enviar missões tripuladas à Lua, Marte e outros destinos. Segundo a agência espacial, a Orion será propulsada com um novo sistema de lançamento de veículos, o Space Launch System (SLS), que a Nasa desenvolve após a aposentadoria dos ônibus-espaciais em julho.

"O presidente Obama e o Congresso apresentaram um plano ambicioso de prospecção espacial e a Nasa se movimenta rapidamente para colocá-lo em prática", enfatizou Weaver.

A cápsula, que poderá ser ocupada por quatro astronautas, está sendo desenvolvida em Denver, no estado americano do Colorado. Porém, ela será lançada do Cabo Canaveral (Flórida) e dará duas voltas na órbita da Terra antes de aterrissar no oceano.

As informações captadas irão permitir desenhar uma nave "capaz de sobreviver a uma velocidade superior a 32 mil km/h, garantindo o retorno seguro dos astronautas à órbita terrestre", explicou o diretor do departamento de operações e prospecção humana da Nasa, William Gerstenmaier.

Tudo o que sabemos sobre:
NasaOrionMarte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.