Dmitry Kostyukov/EFE
Dmitry Kostyukov/EFE

Nave Soyuz partirá rumo à ISS no dia 4 de abril após solucionar falha técnica

Soyuz deveria partir no dia 30 de março, mas falha no sistema da nave obrigou agência russa a adiar o lançamento

EFE,

17 Março 2011 | 15h18

Moscou, 17 mar (EFE).- A Soyuz TMA-21 com três tripulantes a bordo, cujo lançamento estava previsto para o dia 30 foi adiado na segunda-feira passada por problemas técnicos na nave e partirá rumo à Estação Espacial Internacional (ISS) no dia 4 de abril, confirmou nesta quinta-feira, 17, o Centro de Treinamento de Astronautas russo.

"O lançamento da nave Soyuz TMA-21 está prevista para o dia 5 de abril (noite do dia 4 de abril no Brasil)", assinalou Irina Rogova, porta-voz do centro.

Rogova acrescentou que "as tripulações (principal e suplente) partirão no dia 21 de março às 10h do horário local (4h do horário de Brasília) em direção a Baikonur do aeroporto de Chkalovsk (na região de Moscou) em dois aviões separados".

"O primeiro treino dos cosmonautas na nave já na base será realizado no dia 22 de março", indicou.

Previamente, uma fonte de Baikonur informou à agência "Interfax" que na manhã desta quinta-feira os preparativos para o lançamento foram retomados.

De acordo com o comunicado da agência espacial russa, "Roscosmos", "a falha (em um dos sistemas da Soyuz que motivou o adiamento) foi detectado durante os testes prévios ao lançamento da nave", no Cazaquistão, de onde deveria partir o aparelho.

O contratempo não afetou a data de volta à Terra dos cosmonautas russos Aleksandr Kaleri e Oleg Skrípochka e o astronauta da Nasa Scott Kelly, que aterrissaram na véspera a várias dezenas de quilômetros ao norte da cidade cazaque de Arkalyk.

Enquanto isso, o russo Dmitri Kondrátiev, a americana Catherine Coleman e o italiano Paolo Nespoli permanecem na plataforma orbital à espera da chegada da Soyuz TMA-21, batizada "Yuri Gagarin" em honra ao cosmonauta soviético que protagonizou há 50 anos o primeiro voo do homem ao espaço.

A próxima missão na ISS, integrada pelos russos Andrei Borisenko e Aleksandr Samokutiáyev, que não têm experiência no espaço, e o astronauta da Nasa Ronald Garan, que já conta com um voo orbital em seu currículo, se prolongará durante 171 dias.

Mais conteúdo sobre:
Soyuz ISS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.