Nem sempre chocolate amargo faz bem, diz revista

Segundo 'The Lancet', fabricantes podem retirar flavonóides de barras.

BBC Brasil, BBC

21 de dezembro de 2007 | 17h20

As alegações de que o chocolate amargo faz bem podem não ser sempre verdadeiras, segundo um artigo da revista científica The Lancet. Esse tipo de chocolate é considerado rico em flavonóides, uma substância amarga encontrada em plantas e que traz benefícios à saúde. No entanto, segundo um editorial na última edição da revista, muitos fabricantes retiram os flavonóides do chocolate para dar um gosto mais agradável ao alimento e "até mesmo um chocolate com aparência escura pode não ter" a substância.A revista observa ainda que os consumidores não sabem a quantidade de flavonóides em um chocolate "pois os fabricantes raramente colocam esta informação nos rótulos de seus produtos".Calorias e gorduraMesmo quando os flavonóides estão presentes no chocolate amargo, existe outro problema: a gordura, o açúcar e o excesso de calorias, diz a The Lancet.Para ter algum benefício à saúde, aqueles que consomem uma quantidade moderada desse chocolate teriam que levar em conta esses fatores nocivos e buscar um equilíbrio, diminuindo o consumo de outros alimentos.Segundo o texto, "a melhor e mais simples mensagem de saúde seria ficar longe de chocolate e ter uma dieta saudável e balanceada, com pouco açúcar, sal, gordura e muitas frutas e vegetais frescos".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
livropesquisachocolatesexocomida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.