Divulgação
Divulgação

Nível de brigas se mantém ao longo do casamento, aponta estudo

Estudo acompanhou mil casais entre 1980 e 2000 e publicou que apenas 16% dos relacionamentos enfrentam poucas brigas

Efe

16 Agosto 2011 | 08h04

WASHINGTON - O nível de conflito dentro de um casamento muda pouco com o passar dos anos, o que significa uma boa notícia para os casais que brigam pouco e má para os que discutem muito, explica um estudo publicado nesta segunda-feira pela revista Journal of Family Issues.

 

O estudo, que acompanhou mil casais entre 1980 e 2000, publicou que 16% dos casamentos enfrentam poucas brigas; 60% falam de níveis moderados de conflito, e 22% dos casais garantiram que discutem muito.

 

"Não houve muita mudança nos níveis de conflito ao longo do tempo", assinalou Claire Kamp Dush, autora principal do estudo e professora de Desenvolvimento Humano e Ciências da Família na Universidade de Ohio.

 

"No fim do estudo houve uma leve queda no conflito, que foi um pouco mais notável nos casais com níveis altos de brigas", acrescentou. "Mas mesmo assim as diferenças ao longo dos anos foram pequenas".

 

Kamp Dush conduziu o estudo ao lado de Miles Taylor, pesquisadora da Universidade da Flórida, e usou dados da enquete conduzida por pesquisadores da Universidade da Pensilvânia.

 

A enquete via telefone começou com 2.033 pessoas casadas, menores de 55 anos em 1980. Muitas destas mesmas pessoas foram entrevistadas outras cinco vezes até o ano 2000, e responderam uma lista de perguntas sobre a qualidade de seu casamento e do relacionamento com seus cônjuges.

 

O conflito no matrimônio foi medido de acordo com a frequência que os participantes disseram que discordavam em alguma situação com seus companheiros, entre os níveis "jamais", "raramente", "às vezes", "frequentemente", e "muito frequentemente".

 

Os casais com menores conflitos e que participam equitativamente na tomada de decisões são as que contam com níveis mais altos de felicidade e as que têm níveis mais baixos de divórcio, segundo o estudo.

Mais conteúdo sobre:
comportamentocasaiscasamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.