Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

No DF, uma em cada seis pessoas com coronavírus está presa na Papuda

Os dados oficiais do governo do DF mostram que, nesta segunda-feira, a capital federal registra 2.740 casos oficialmente confirmados de contaminação pelo vírus

André Borges, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2020 | 15h04

BRASÍLIA – De cada seis pessoas contaminadas por covid-19 no Distrito Federal, uma está presa dentro do complexo penitenciário da Papuda, um dos maiores sistemas carcerários do País. Os dados oficiais do governo do DF mostram que, nesta segunda-feira, a capital federal registra 2.740 casos oficialmente confirmados de contaminação pelo coronavírus. Deste total, 443 casos são de detentos da Papuda.

Até o momento, porém, não foi confirmada a morte de nenhum preso. Dos 443 casos entre os detentos, 186 se recuperaram, 11 estão na enfermaria do complexo e um está na UTI. Os demais seguem em observação e foram isolados. Até a última sexta-feira, 8, pelo menos 110 policiais penais da Papuda tinham contraído o vírus e 41 tinham se recuperado, segundo a Subsecretaria do Sistema Penitenciário (Sesipe).

A Papuda enfrenta o mesmo problema crônico de superlotação de detentos. Com uma estrutura para atender 7,7 mil pessoas, o complexo tem hoje mais de 16 mil presos. Para evitar que a doença se alastrasse de forma descontrolada entre os detentos, a Secretaria de Segurança Pública do DF passou a ocupar dois blocos do complexo que ainda não estavam concluídos e que seriam entregues em julho. 

Esses dois blocos, que têm capacidade de receber 400 pessoas, foram transformados em um “centro de quarentena”. Todos os detentos com a doença foram isolados nessas duas estruturas.

O alto número de detentos da Papuda com covid-19 é atribuído pelo governo do DF ao alto número de testagem que está ocorrendo na prisão. Foram realizados mais de 2,1 mil testes entre os detentos e agentes penitenciários até agora. 

As visitas de famílias estão suspensas há dois meses. Para evitar o aumento de pressão e estresse dentro do presídio, o governo do DF tem permitido que parentes de presos se comuniquem com os detentos por meio de um aplicativo. A pessoa envia a mensagem pelo sistema. Essa mensagem passa por um agente policial que faz a triagem e, então, encaminha para o preso, que tem acesso à mensagem dentro da prisão.

Para lidar com os casos graves da doença, será concluída no dia 23 de maio a instalação de um hospital de campanha no local onde havia um campo de futebol usado pelos detentos, dentro da Papuda. A estrutura terá dez leitos equipados com suporte de ventilação mecânica e 30 leitos de retaguarda para ventilação.

Todos as pessoas que chegam à prisão têm passado por uma triagem de testes e quarentena de até 14 dias, até irem para as celas comuns. Por dia, a Papuda recebe entre 130 e 150 novos presos, segundo a Secretaria de Segurança Pública.

Hoje, do total de 2.740 casos de contaminação confirmados no DF, 1.372 pessoas já se recuperaram. O DF registra oficialmente 43 mortos pela covid-19. Foram realizados 10,5 mil testes do tipo PCR, que são mais detalhados e precisos, e outros 56 mil testes rápidos. O governador Ibaneis Rocha decretou quarentena até o dia 18 de maio. A manutenção do fechamento de vários comércios, no entanto, já foi renovada em diversas ocasiões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.