Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

No interior de SP, principais cidades reservam alas em hospitais para coronavírus

Alguns municípios criaram comitês de enfrentamento e planos de contingência contra um possível avanço do vírus

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

13 de março de 2020 | 17h03

SOROCABA – As principais cidades do interior de São Paulo preparam as redes de saúde para atender a previsão de aumento na demanda com a chegada do coronavírus. Alguns municípios criaram comitês de enfrentamento e planos de contingência contra um possível avanço do vírus. As prefeituras já reservam alas em hospitais e reforçam o quadro de profissionais da saúde. Eventos estão sendo cancelados.  Até agora, o interior não tem casos confirmados da doença e o número de casos suspeitos ainda é baixo.

A prefeitura de Campinas criou o Comitê Municipal de Enfrentamento da Pandemia e suspendeu temporariamente as atividades de educação e lazer envolvendo público da terceira idade. O grupo especial é composto por seis secretarias, inclusive as de saúde e assistência social, e pela Rede Mário Gatti de Urgência, Emergência e Hospitalar.

Hospitais da rede terão alas exclusivas para pacientes com a doença.  A cidade tem 35 casos de coronavírus em investigação. “Tomei essa decisão para estarmos preparados para o caso de ser necessário adotar medidas mais urgentes”, disse o prefeito Jonas Donizette (PSB).

O comitê já recomendou a suspensão de eventos sociais e religiosos com grande número de pessoas e o não agendamento de novos eventos. As empresas estão recebendo orientações para adotar o home office e reuniões de trabalho virtuais. Para as pessoas idosas e com comorbidades, é pedido que evitem idas a shoppings, cinemas e locais com grande circulação de pessoas, inclusive o uso de transporte público. A prefeitura abriu chamada para 85 médicos concursados para reforçar a rede pública de saúde.

A Unicamp informou nesta sexta-feira, 13, que tem 11 casos suspeitos atendidos na rede de saúde interna da universidade em Campinas. Os pacientes, entre eles um professor e quatro alunos, além de cinco atendidos no Centro de Saúde da Comunidade, aguardam resultado de exames e não precisaram de internação. 

 O Hospital de Clínicas, que é estadual, possui 40 leitos de terapia intensiva, mas todos estavam ocupados nesta sexta. A administração tem plano de contingência para ampliar a capacidade em mais 40 leitos, equipados com aparelhos para insuficiência respiratória.

Em São José do Rio Preto, o Hospital de Base anunciou a criação de uma ala especializada para tratar pacientes com suspeita do coronavírus. O novo ambiente ocupará metade de um andar do hospital  e terá dez leitos em situação de isolamento, equipados com respiradores. A Secretaria da Saúde monitora oito casos suspeitos.

A prefeitura de São José dos Campos criou o plano de enfrentamento e contingência para o novo coronavírus, com alcance nas redes pública e privada. O plano prevê a busca ativa de eventuais casos suspeitos após a notificação de cada novo caso – pessoas que, eventualmente, tiveram contato com o paciente.

Um grupo de técnicos das vigilâncias epidemiológica e sanitária foi posto de prontidão para dar resposta rápida em caso de epidemia. Está prevista a destinação de uma ala hospitalar para atendimento exclusivo de pacientes com a doença, caso a demanda ultrapasse a capacidade da rede de pronto atendimento.

A prefeitura de Ribeirão Preto elaborou um protocolo para o atendimento na rede municipal de saúde, prevendo desde o isolamento domiciliar de casos suspeitos, até remoção para unidade de suporte avançado e internação hospitalar.

O Hospital das Clínicas, vinculado à Universidade de São Paulo (USP) foi designado para atender casos graves. Em Sorocaba, com 16 casos suspeitos, a prefeitura recomendou a idosos e pessoas com doenças crônicas que evitem aglomerações, mas ainda não adotou plano de contingência para a doença.

Eventos suspensos

A prefeitura de Itapetininga anunciou nesta sexta-feira, 13, a suspensão da feira agropecuária Expoagro, um dos principais eventos do setor agropecuário no sudoeste paulista.  A prefeitura da cidade, que tem um caso suspeito de coronavírus, suspendeu também as visitas aos idosos do Lar São Vicente de Paulo e Vila da Dignidade.

Em Itu, até uma palestra sobre o próprio coronavírus, que seria realizada na prefeitura, foi cancelada. O concurso Miss e Mister Melhor Idade, que seria realizado no dia 21 de março, foi suspenso.

Considerada a maior feira agrícola da América do Sul, a Agrishow mantinha até esta sexta-feira, 13, a realização de sua 27ª edição, entre os dias 27 de abril e 1.o de maio, em Ribeirão Preto.

A organização, no entanto, informou que pode rever esse posicionamento, caso o cenário do coronavírus no país se agrave. Se o evento acontecer, serão tomadas medidas extras de segurança em saúde para os expositores e visitantes. No ano passado, a feira atraiu 150 mil pessoas e realizou negócios de R$ 2,9 bilhões.

A Festa do Peão de Barretos, um dos maiores eventos mundiais do segmento, também será mantida. A Associação Os Independentes, que organiza o evento, informou que a 65.ª Festa está confirmada para o período de 20 a 30 de agosto próximo. As vendas de ingressos devem ser iniciadas em maio. Em 2018, o megaevento atraiu 800 mil pessoas e movimentou quase R$ 1 bilhão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.