Wilton Junior/ Estadão
Wilton Junior/ Estadão

No Rio, 70% dos leitos de UTI da rede estadual estão ocupados por pacientes com coronavírus

Governo aposta nos hospitais de campanha para dar conta da demanda e evitar colapso no sistema de Saúde

Caio Sartori, O Estado de S.Paulo

13 de abril de 2020 | 13h04

RIO — A rede estadual de Saúde do Rio já tem 70% dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) ocupados por pacientes infectados pelo novo coronavírus. Enquanto os hospitais de campanha do Estado não são inaugurados, há disponíveis, atualmente, apenas 217 leitos. 

No caso dos leitos de enfermaria, a ocupação pelas vítimas da Covid-19 é de quase metade da rede: 49%. 

O governo estadual já anunciou a construção de oito hospitais de campanha para tratar os infectados. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, 548 leitos foram destinados aos contaminados neste contexto de pandemia. Ao todo, diz a pasta, serão disponibilizados cerca de 3.4 mil, sendo 2 mil nos novos hospitais.

Há ainda o hospital de campanha do Riocentro, na zona oeste, concebido pela Prefeitura. Serão 500 leitos nessa unidade. 

Até este domingo, 12, o Rio já tinha registrado 2.855 casos da doença, com 170 mortos. Aos poucos, as vítimas começam a aparecer com maior frequência em municípios pobres da Região Metropolitana, como os da Baixada Fluminense, e em bairros mais humildes da capital.  

O medo de haver um colapso na rede é uma das grandes preocupações das autoridades. No caso do Rio, o governador Wilson Witzel e o secretário Edmar Santos têm reforçado que o momento é de ficar em casa, saindo apenas em situações inevitáveis. 

Nas últimas duas semanas, contudo, é perceptível nas ruas da capital fluminense um aumento na circulação de pessoas. Filas têm sido formadas nas agências bancárias, por exemplo, que funcionam em horário reduzido. 

A orla também tem ficado cheia de pessoas que praticam atividades como caminhada, corrida e pedalada - o que não é proibido pelas autoridades e pela Organização Mundial da Saúde (OMS). As areias das praias, no entanto, estão com acesso proibido. Policiais percorrem a orla à procura de quem desobedece a determinação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.