Nobel da Química 2011 será conhecido na quarta-feira; Prêmio terá transmissão ao vivo

Os anúncios do Nobel começaram na segunda-feira, 3, com o Nobel de Medicina seguirão esta semana Química na quarta-feira, 5, o de Literatura, na quinta-feira, 6, e o da Paz, na sexta-feira, 7

estadão.com.br,

04 de outubro de 2011 | 13h33

SÃO PAULO - Três cientistas norte-americanos que, estudando supernovas distantes, descobriram que a taxa de expansão do Universo se acelera - e não diminui, como o esperado - ganharam o Prêmio Nobel de Física de 2011 nesta terça-feira, 4. Os anúncios do Nobel começaram na segunda-feira, 3, com o Nobel de Medicina seguirão esta semana Química na quarta-feira, 5, o de Literatura, na quinta-feira, 6, e o da Paz, na sexta-feira, 7. Na próxima semana, dia 17 de outubro, também será conhecido também o Nobel de Economia.

 

Quem quiser acompanhar o prêmio desta quarta-feira, 5, em tempo real pode entrar no site da organização ou nesta página a partir das 6h45. 

 

A entrega dos prêmios Nobel será feita, como manda a tradição, em duas cerimônias paralelas, em Oslo para o da Paz e em Estocolmo para os restantes, no dia 10 de dezembro, aniversário da morte de Alfred Nobel.

 

Nobel de Medicina de 2011 foi para três cientistas que desvendaram os segredos do sistema imunológico do corpo humano. O cientista americano Bruce A. Beutler, o francês Jules A. Hoffmann e o canadense Ralph M. Steinman tiveram seus méritos reconhecidos por "revolucionar nosso conhecimento do sistema imunológico ao descobrir princípios cruciais para a sua ativação. "A descoberta dos três cientistas serviu para combater doenças contagiosas, desenvolver vacinas e no avanço da luta contra o câncer.

O comitê, que não sabia da morte de Steinman devido a um câncer pancreático quando o escolheu para receber o prêmio, teve que revisar suas normas antes de decidir conceder-lhe um prêmio póstumo, já já que as regras do Nobel não permitem prêmios póstumos, a não ser que o laureado morra no período transcorrido entre o anúncio do prêmio e a premiação. "Ele foi diagnosticado com câncer pancreático há quatro anos e sua vida foi prolongada por meio de uma imunoterapia com base em células dendríticas que ele mesmo criou", disse a universidade no comunicado publicado em seu website.
Tudo o que sabemos sobre:
Prêmio NobelQuímicaFísicaMedicina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.