Nobel de Medicina vai para descobertas no sistema imunológico

Três cientistas que desvendaram segredos do sistema imunológico, abrindo caminho para novas vacinas e tratamentos contra o câncer, foram anunciados nesta segunda-feira como vencedores do Prêmio Nobel de Medicina ou Fisiologia de 2011.

PATRICK LANNIN E ANNA RINGSTROM, REUTERS

03 de outubro de 2011 | 09h33

O norte-americano Bruce Beutler e o biólogo francês Jules Hoffman, que estudaram os primeiros estágios da reação imunológica a um ataque, irão dividir o prêmio de 1,5 milhão de dólares com o Ralph Steinman, canadense radicado nos EUA que descobriu as células dendríticas, cruciais para a compreensão dos estágios posteriores.

"Os laureados com o Nobel deste mês revolucionaram nossa compreensão do sistema imunológico, ao descobrir os princípios-chave da sua ativação", disse em nota a comissão encarregada da premiação, ligada ao Instituto Karolinska, de Estocolmo.

Lars Klareskog, presidente da Assembleia do Nobel, disse à Reuters que as descobertas podem levar a novas vacinas contra micróbios, "o que é muito necessário agora com o aumento da resistência contra antibióticos", e a "algum desenvolvimento na área do ataque ao câncer a partir do sistema imunológico."

Annika Scheynius, professora de pesquisas em alergias clínicas e integrante da comissão, disse que as descobertas premiadas "podem melhorar a saúde de pacientes com câncer, doenças inflamatórias, doenças autoimunes e asma."

Beutler, de 53 anos, trabalha no Instituto de Pesquisas Scripps, de La Jolla, na Califórnia. Hoffman, de 70 anos, nascido em Luxemburgo, realizou grande parte do seu trabalho em Estrasburgo. Eles vão dividir metade do prêmio de 10 milhões de coroas suecas (1,46 milhão de dólares). A outra metade irá para Steinman, de 68 anos, da Universidade Rockefeller (Nova York).

Beutler e Hoffman descobriram os receptores de proteínas que podem reconhecer micro-organismos agressores, e que ativam a "imunidade inata", primeiro passo da reação imunológica do organismo.

As células dendríticas, descobertas por Steinman, são capazes de ativar e regular a imunidade adaptativa, um estágio posterior da reação imunológica, em que os micro-organismos são eliminados do corpo.

Os trabalhos deles foram cruciais no desenvolvimento de novas vacinas contra doenças infecciosas, e de novas abordagens na luta contra o câncer -- o que inclui as chamadas "vacinas terapêuticas", que estimulam o sistema imunológico a destruir tumores.

O prêmio de Medicina ou Fisiologia costuma ser o primeiro Nobel anunciado a cada ano. O Nobel é entregue desde 1901 a personalidades de destaque nas áreas de ciências, literatura e paz, conforme estipulado no testamento do empresário Alfred Nobel, inventor da dinamite.

(Reportagem adicional de Ben Hirschler em Londres e Mia Shanley em Estocolmo)

Tudo o que sabemos sobre:
CIENCIANOBELMEDICINA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.