Epitacio Pessoa/AE
Epitacio Pessoa/AE

Normas orientam sobre varizes

Diretrizes apresentadas a médicos têm objetivo de unificar informações até sobre prescrição de meias compressivas para tratamentos de doenças vasculares

Tatiana Piva, Jornal da Tarde

12 de outubro de 2011 | 09h11

A Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV) lançou ontem duas diretrizes para tratamentos de doenças vasculares: uma sobre o uso da meia compressiva elástica para quem tem varizes e outra sobre intervenções cirúrgica e seus benefícios.

“O papel principal é deixar explícito de forma pública quais são, hoje, os melhores tratamentos que o paciente pode receber”, explicou Aldemar Castro, coordenador nacional das diretrizes apresentadas ontem durante o 39.º Congresso Brasileiro de Angiologia e de Cirurgia Vascular.

De acordo com Castro, estudos científicos foram analisados por cerca de 142 especialistas durante os últimos dois anos para garantir e unificar as normas mais eficazes no tratamento de varizes. Estimativas da SBACV apontam que 50% das mulheres e 37% dos homens brasileiros têm varizes.

A diretriz Terapia de Compressão Elástica dos Membros Inferiores garante os benefícios do uso das meias compressivas no tratamento de varizes. “O produto faz uma pressão na perna do tornozelo para a coxa e melhora o retorno venoso do sangue que vai para o pé de volta para o coração”, diz Marcondes Figueiredo, cirurgião vascular que coordenou a norma.

Segundo o médico, é importante que haja prescrição médica para o uso do produto. Sem orientação de um profissional, diz Figueiredo, a pessoa pode usar meias de tamanho e compressão errados e não obter bons resultados. No caso das gestantes, o cirurgião esclarece que as meias não podem ser indicadas como se prevenissem alguma coisa. “Afinal, ela (meia) só ajuda a amenizar os sintomas (dores) da doença.”

A outra diretriz lançada ontem trata dos tipos de procedimentos existentes para tratamento de varizes: medicamentoso, de cirurgia aberta, de radiofrequência endovascular (introdução de cateteres dotados de dispositivo de radiofrequência e que fecham os vasos), laser (introdução de cateter com laser dentro das varizes para destruí-las com calor) e escleroterapia com espuma (introdução de um líquido com seringas que, jogado de um lado para o outro, faz bolhas que também ajudam a fechar os vasos).

José Aderval Aragão, coordenador da norma, salienta, porém, que nenhum tipo de tratamento é melhor que o outro. “O paciente pode optar e ser tratado com aquilo que estiver ao seu alcance ou do seu médico, com tranquilidade.”

Existem quatro diferentes fabricantes nacionais de meias compressivas que cobram em média R$100 pela unidade e já oferecem cores variadas, além das conhecidas meias cor da pele.  

Tudo o que sabemos sobre:
VarizesnormasorientaçãoSaúdeVida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.