REUTERS/Kathleen Flynn
REUTERS/Kathleen Flynn

Nos EUA, comitê da FDA recomenda aplicação de vacina da Pfizer contra a covid em crianças

Dosagem para público dos 5 aos 11 anos seria um terço do total aplicado em adultos e dividido em duas doses, com três semanas de intervalo

João Ker, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2021 | 18h03

Um comitê externo de aconselhamento da FDA, agência reguladora dos Estados Unidos, recomendou na tarde desta terça-feira, 26, a aplicação da vacina da Pfizer contra a covid-19 em crianças de 5 a 11 anos. Segundo o The New York Times, a decisão não é final, mas é um passo importante na aprovação do imunizante para esta faixa etária, uma vez que o órgão oficial costuma seguir as indicações do conselho. 

Caso seja aprovada pela FDA, a previsão é que as doses da Pfizer possam ser aplicadas nas crianças estadunidenses a partir da próxima semana. Ainda na última sexta-feira, a farmacêutica fez uma requisição formal ao órgão, afirmando que seu imunizante apresentou uma eficácia de 90,7% no público de 5 a 11 anos

Essa pode ser a primeira vacina aprovada nos EUA para o público infantil até o momento, e deve atender cerca de 28 milhões de crianças em todo o território estadunidense. Tanto lá como no Brasil, o imunizante da Pfizer já é também o único com o aval necessário para ser aplicado em adolescentes dos 12 aos 17 anos. 

Como divulgado na última semana, a dosagem utilizada nas crianças corresponde a um terço da dose aplicada em adultos. Foi esse mesmo volume aprovado pelo comitê independente da FDA nesta terça, que também recomendou duas doses, com três semanas de intervalo. 

Especialistas ouvidos pelo Estadão afirmam que caso a FDA aprove a aplicação do imunizante em crianças dos EUA, a decisão pode pesar favoravelmente para que a Anvisa faça o mesmo com a população infantil do Brasil. Ainda assim, é necessário que a Pfizer submeta um pedido formal à agência brasileira e entregue os documentos necessários para a comprovação de sua eficácia e segurança neste público. Em nota enviada à reportagem, a farmacêutica afirmou ainda não ter previsão de quando isso deve acontecer. 

A expectativa é que a FDA bata o martelo sobre a questão nos próximos dias. Após o aval da agência, algumas regiões dos EUA também aguardam orientações formais do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) antes de iniciarem a campanha de imunização em um novo público. 

Moderna entra na disputa

Ainda nesta manhã, a farmacêutica Moderna também afirmou que sua vacina causa uma "forte resposta imunológica" em crianças de 6 a 11 anos, além de ter um perfil de segurança similar ao dos testes com adolescentes e adultos. Os efeitos colaterais mais comuns foram fadiga, dor de cabeça, febre e dor no local da injeção. 

Os testes da Moderna envolveram mais de 4,7 mil participantes, mas ainda não foram revisados pela comunidade acadêmica e nem submetidos à aprovação da FDA ou de outra agência reguladora. Apesar de ser utilizada em mais de 40 países, a vacina de RNA mensageiro ainda não foi liberada nos EUA para ser aplicada em adolescentes. Por lá, o imunizante só tem aval de uso em adultos acima dos 18 anos.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.