'Nós sempre falamos sobre ter filhos. Era um sonho nosso'

Casada com HIV positivo, é mãe de gêmeas; quando as filhas forem mais velhas, ela diz que contará como tudo aconteceu

Entrevista com

Laura, secretária de 29 anos*

O Estado de S. Paulo

15 Novembro 2014 | 18h48

"Eu tinha 18 anos quando comecei a namorar o Guilherme, três anos mais velho que eu. Levou um tempo até ele me contar que era HIV positivo. Ele foi contaminado em uma relação sexual desprotegida um ano antes de a gente se conhecer. No início, a notícia assustou. Mas nunca pensei em terminar. Eu já tinha uma vivência com movimentos sociais, tinha informação. Eu brinco que ele primeiro me ganhou para depois me contar.

Sempre usamos preservativo em todas as relações. O Guilherme é muito cuidadoso comigo. Até mais do que eu. Nós sempre falamos sobre ter filhos, era um sonho nosso. Mas acho que nem eu mesma acreditava que seria possível. Não era uma coisa concreta. Tanto que eu comecei a graduação de Ciências Sociais e logo depois soube que estava grávida. E que seriam gêmeas.

Como não sabia se seria fácil, resolvi procurar o tratamento. Alguns amigos me desencorajaram, não por ele ser HIV positivo, mas porque eu era nova, queria fazer faculdade. Engravidei na quarta tentativa.

Eu fico à noite na faculdade, o Guilherme cuida das meninas: dá banho, troca fraldas. Ele é muito atento. Se tem um ferimento, faz logo um curativo, deixa sempre coberto. Quando elas forem mais velhas, vamos contar como tudo aconteceu e que o pai tem HIV. O nosso relacionamento sempre foi construído em cima do diálogo e vai ser assim com elas também."

* OS NOMES FORAM TROCADOS PARA PRESERVAR A PRIVACIDADE DA FAMÍLIA

Mais conteúdo sobre:
Saúde HIV

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.