REUTERS/Amanda Perobelli 12-01-2021
REUTERS/Amanda Perobelli 12-01-2021
Imagem Fernando Reinach
Colunista
Fernando Reinach
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Notícias recentes da Coronavac mostram ação contra casos graves, sem bloqueio total da transmissão

Os primeiros dados sobre a Coronavac estão aparecendo nas revistas científicas. Confirmam que a vacina funciona, é muito útil em prevenir casos graves, mas é menos efetiva em inibir o espalhamento do vírus

Fernando Reinach, O Estado de S.Paulo

10 de julho de 2021 | 05h00

Na época em que o Instituto Butantan terminou o estudo de Fase 3 da Coronavac, como se recorda, uma das razões para o atraso na divulgação dos dados foi a existência de um estudo semelhante feito na Turquia. Enquanto o estudo brasileiro indicava uma eficácia de ~50% contra o aparecimento de casos sintomáticos de covid-19, o estudo turco obteve uma eficácia de ~85%. Depois disso, a comunidade científica espera a revisão por pares e a publicação definitiva dos resultados desses dois estudos para entender o motivo da discrepância e a real eficácia da Coronavac.

Até o momento o estudo coordenado pelo Butantan ainda não passou pela revisão de pares e não foi publicado em sua forma definitiva. Mas nesta sexta-feira, 9, foi publicado na revista The Lancet a versão revisada e definitiva do estudo turco, acompanhado de um editorial elogiando-o por fornecer dados sólidos sobre a eficácia da Coronavac. Dado seu pequeno tamanho (11.303 voluntários, divididos entre o grupo controle e o vacinado), o estudo somente foi capaz de avaliar a eficácia contra o aparecimento de casos sintomáticos detectados por exames PCR. E a eficácia ficou em 83,2% (intervalo de confiança entre 65,4 e 92,1%). Não foi possível calcular a eficácia da vacina em prevenir internações ou mortes.

A eficácia medida nesse estudo é maior que a divulgada pelo Butantan, e que está sob avaliação dos pares desde 14 de abril. Essa é uma boa notícia para quem foi vacinado com a Coronavac, pois é o primeiro estudo da eficácia dessa vacina publicado em uma revista científica. Mas é importante lembrar que o estudo foi feito entre 14 de setembro de 2020 e 5 de janeiro de 2021, quando muito provavelmente somente a cepa original do coronavírus circulava na Turquia. Frente a novas variantes, esse número deve ser menor.

Outra boa notícia é o estudo que foi publicado no The New England Journal of Medicine, descrevendo os dados obtidos no Chile após a vacinação com a Coronavac. São dados obtidos em condições reais de vacinação, entre os dias 2 de fevereiro e 1.º de maio de 2021, quando provavelmente a cepa presente no Chile era a original. Nesse estudo foi envolvido um número muito grande de voluntários (10,2 milhões de pessoas, divididos em três grupos: os não vacinados, os vacinados com uma dose e os vacinados com as duas doses). O estudo mostrou que a efetividade da Coronavac em prevenir casos de covid com sintomas foi de 65,9%. A vacina também preveniu 87,5% das hospitalizações, 90,3% das internações em UTis e 86,3% das mortes. Os intervalos de confiança dessas medidas são pequenos, por causa do enorme número de voluntários estudados. 

Esses resultados são os primeiros de efetividade da Coronavac e demonstram que ela impede grande parte dos casos graves e de mortes. Por outro lado, a baixa efetividade contra casos mais leves (65,9%) talvez explique por que no Chile o número total de casos por milhão de habitantes continua alto. A interpretação mais simples é que a Coronavac impede o surgimento de casos graves, mas não bloqueia completamente a transmissão do vírus. 

Os primeiros dados sobre a Coronavac estão aparecendo nas revistas científicas. Confirmam que a vacina funciona, é muito útil em prevenir casos graves, mas é menos efetiva em inibir o espalhamento do vírus. Infelizmente a efetividade contra novas variantes ainda é desconhecida e os poucos dados divulgados não foram publicados em revistas científicas. Hoje a cepa original praticamente não existe mais, tendo sido substituída pelas novas variantes, sendo a mais preocupante a delta. Nas próximas semanas vamos saber o estrago que ela vai fazer no Brasil, onde poucos receberam as duas doses da vacina.

MAIS INFORMAÇÕES: EFICACY AND SAFETY OF AN INACTIVATED WHOLE-VIRION SARS-COV-2 VACCINE (CORONAVAC): INTERIM RESULTS OF A DOUBLE-BLIND, RANDOMISED, PLACEBO-CONTROLLED, PHASE 3 TRIAL IN TURKEY. LANCET. https://doi.org/10.1016/ S0140-6736(21)01429-X 

2- EFFECTIVENESS OF AN INACTIVATED SARS-COV-2 VACCINE IN CHILE. N.E.J.M. https://doi.org/10.1056/NEJMoa2107715

É BIÓLOGO, PHD EM BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR PELA CORNELL UNIVERSITY E AUTOR DE A CHEGADA DO NOVO CORONAVÍRUS NO BRASIL; FOLHA DE LÓTUS, ESCORREGADOR DE MOSQUITO; E A LONGA MARCHA DOS GRILOS CANIBAIS

Tudo o que sabemos sobre:
Instituto Butantancoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.