Nova York busca impedir compra de refrigerantes e sucos com vale-refeição

Prefeito e governador se unem contra obesidade; indústria acusa Estado de ditar comportamentos

Reuters

08 Outubro 2010 | 18h32

NOVA YORK - A cidade de Nova York expandiu sua campanha contra a obesidade na última quinta-feira, com uma proposta para proibir o uso de vale-refeição para a compra de bebidas com excesso de açúcar, provocando queixas da indústria de bebidas de que essa é mais uma tentativa do governo de dizer às pessoas como se comportar.

O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, e o governador do Estado, David Paterson, pediram ao governo dos Estados Unidos para proibir a compra de refrigerantes e sucos de fruta adoçados com tickets de refeição - comprovantes federais usados por 42 milhões de americanos de baixa renda para comprar comida. O veto teria duração de dois anos.

Cerca de 1,7 milhão de moradores da cidade de Nova York e 2,9 milhões em todo o Estado recebem o benefício. Os cupons já não podem ser usados para adquirir outros produtos considerados nocivos, como álcool e cigarro. O Departamento de Agricultura dos EUA, que administra o programa de vale-alimentação, disse em comunicado que vai "rever e analisar" a proposta de Nova York.

O prefeito e o governador atribuem às bebidas adoçadas o papel de maior contribuinte individual para a epidemia de obesidade. "Isso é tão simples. Não é como uma doença como o câncer, que não sabemos como curar. Basta parar de ingerir calorias extras", afirmou Bloomberg em entrevista coletiva.

"Não há nada errado com um consumo ocasional. Mas as crianças estão ingerindo uma enorme quantidade de bebidas repletas de açúcar, e deveriam aderir às dietéticas. Portanto, da próxima vez que uma dessas empresas fizer um apelo, desculpe-me. A vida dos nossos filhos é mais importante que qualquer outra coisa", disse Bloomberg.

O prefeito tem usado o poder do governo municipal para promover outras medidas sanitárias, incluindo uma campanha para reduzir o sal e proibir gorduras trans nos alimentos servidos em restaurantes, além de uma exigência para que as redes divulguem a quantidade de calorias de seus produtos.

Em 2003, a cidade de Nova York proibiu o cigarro em bares e restaurantes, gerando protesto de fumantes e não fumantes, que viam esse caso como uma intervenção do governo na vida privada das pessoas. Com o tempo, a lei se tornou amplamente aceita.

O governador Paterson também tem procurado combater a obesidade e levantar dinheiro com uma proposta de imposto sobre bebidas doces, mas o projeto teve oposição na Assembleia Legislativa do Estado, sob pressão de lobby da indústria de sucos e refrigerantes.

A Associação Americana de Bebidas criticou a proposta como "outra tentativa do governo de dizer aos nova-iorquinos o que devem comer e beber, e só terá um impacto injusto para aqueles que podem pagar menos".

Quase 40% das crianças que estudam em escolas públicas de Nova York estão obesas, enquanto as taxas totais de obesidade nos agregados familiares mais pobres giram em torno de 30%, em comparação com 17% nas famílias mais ricas, informaram a prefeitura e o governo em declaração conjunta.

As doenças relacionadas à obesidade custam ao Estado de Nova York cerca de US$ 8 bilhões (R$ 13,28 bilhões) por ano em atendimento médico, segundo o comunicado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.