Nova York fecha 3 escolas por novos casos da gripe

Foram confirmados 224 infectados pela doença, mas nenhuma morte na megalópole

Efe

15 Maio 2009 | 04h38

O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, anunciou nesta sexta-feira, 15, o fechamento provisório de três escolas no condado do Queens após terem sido registrados novos casos de infectados pela gripe suína, um dos quais se encontra em estado crítico segundo a imprensa.

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde

 

Bloomberg informou que foram detectados quatro casos de estudantes e um professor infectados pelo vírus AH1N1 em um dos colégios e que mais de 50 alunos desse mesmo lugar já foram enviados para casa, desde a semana passada, com sintomas da doença.

 

De acordo com a edição eletrônica do jornal The New York Times, o professor, cuja identidade não foi revelada, foi levado a um hospital da cidade em estado crítico.

 

Esse seria o primeiro caso realmente sério em Nova York, onde até agora foram confirmados 224 infectados pela doença, mas nenhuma morte, segundo números recentes do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, em inglês).

 

"Tomamos a medida porque há um nível estranhamente alto de doentes com sintomas típicos da gripe nessas escolas", explicou Bloomberg.

 

Aulas canceladas

 

O prefeito informou, durante uma coletiva de imprensa, que o cancelamento das aulas durante cinco dias afetará cerca de 4.500 estudantes.

 

Em outra escola, também localizada no Queens, 29 estudantes mostraram hoje sintomas típicos da gripe e 241, do outro colégio, faltaram a aula.

 

"Fechamos as escolas para frear a transmissão do vírus", ressaltou o prefeito, que lembrou que a incidência de casos com sintomas da gripe é mais alto no Queens.

 

"Embora os sintomas da gripe sejam parecidos com os de uma gripe estacional, esse vírus parece se propagar com rapidez", comentou Bloomberg.

 

A gripe suína deixou até agora 64 mortos e 2.656 doentes no México, enquanto os EUA confirmaram três mortes e 4.298 infectados.

 

Apesar do nome, a doença não apresenta risco de infecção por ingestão de carne de porco e derivados.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína influenza A (H1N1) Nova York

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.