Dani Cardona/Reuters
Dani Cardona/Reuters

Novo aplicativo para celular na Austrália quer combater o câncer de pele

País tem uma das taxas mais altas da doença, com 1.850 mortes por ano; app dá previsão do tempo

Reuters

26 Novembro 2010 | 19h44

SYDNEY - Australianos que apreciam o sol do verão agora podem saber quando é hora de proteger a pele ou evitar os raios ultravioleta, potenciais causadores de câncer de pele, graças a um novo aplicativo para iPhone chamado SunSmart, que pode ser baixado gratuitamente.

A Austrália tem uma das taxas mais elevadas da doença no mundo, com mais de 1.850 mortes por ano, o que supera o número de vítimas de acidentes rodoviários no país, segundo o Conselho de Câncer da Austrália. Dois terços dos habitantes são diagnosticados com câncer de pele até chegar aos 70 anos.

"O que estamos constatando é que muita gente consulta a previsão do tempo e as temperaturas para saber quando precisam de proteção solar, mas o problema está realmente na radiação ultravioleta (UV) - e ela não é possível ver nem sentir", disse a gerente do SunSmart, Sue Heward, no Conselho de Câncer, que também criou um widget de alerta de UV para a web, destinado a organizações como clubes esportivos.

Para lidar com o problema e alcançar os jovens, que tendem a ser menos rigorosos com a proteção solar, o conselho desenvolveu o aplicativo, que fornece uma previsão de tempo diária, incluindo os níveis máximos de radiação UV.

O aplicativo conta com uma função de alerta e usa o sistema de posicionamento global (GPS) para ajustar automaticamente a localização do usuário, mostrando os períodos em que a proteção solar é necessária e os níveis de radiação UV - atualizados minuto a minuto.

"O melhor do SunSmart é que ele está no seu bolso, você não tem de ir para o computador ou abrir o jornal para conferir", afirmou Heward, destacando que o aplicativo é especialmente útil para as pessoas que trabalham ao ar livre por longos períodos e estão especialmente em risco de câncer de pele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.