AP
AP

Novo modelo promete maior uso a prevervativos femininos

FC2 é mais barato e fácil de usar, facilitando luta contra a aids com um meio totalmente controlado pela mulher

AP,

17 Abril 2009 | 16h31

Defensores do preservativo feminina estão promovendo uma versão mais barata e mais fácil de usar que eles esperam que ajudem a combater a aids e outras doenças sexualmente transmissíveis.

 

Uma versão inicial da camisinha feminina foi apresentada em 1993 e continua sendo a única forma de proteção contra DSTs e gravidez não desejada totalmente controlada pela mulher. Ainda assim, apesar do incentivo da ONU e de outras organizações, seu uso ainda é minúsculo, mesmo quando a parcela de mulheres contaminadas pela epidemia de aids continua a crescer.

 

Defensores esperam que essa dinâmica mude com a aprovação pela Food and Drug Administration (FDA) do FC2, uma nova versão do preservativo produzido pela Female Health Co.

 

Cerca de 35 milhões de preservativos femininos foram distribuídos em todo o mundo no ano passado, mas isso se compara a mais de 10 bilhões de camisinhas masculinas, que são muito mais baratas e, ao menos inicialmente, mais fácil de usar. No entanto, em algumas nações com elevados níveis de contaminação por HIV, homens se recusam a usar preservativos, colocando mulheres em risco.

 

Embora pareça similar a sua antecessora - feita de material macio e transparente com dois anéis - a FC2 é feita de borracha sintética ao invés de poliuretano, tornando sua produção muito mais barata. Seu custo é de cerca de um terço de sua antecessora e pode ficar ainda menor, permitindo que organizações distribuam um número muito maior de preservativos.

 

Mary Ann Leeper, ex-presidente da Female Health Co. e agora sua conselheira estratégica, disse que a FC2 faz menos barulho durante o uso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.