Novo mosquito pode disseminar a febre amarela no Brasil

O Aedes albopictus traz risco do ressurgimento da forma urbana da doença no País, diz estudo

Fabiane Leite, de O Estado de S. Paulo,

21 de fevereiro de 2008 | 20h08

Estudo inédito, financiado pelo Ministério da Saúde, alerta sobre uma "ameaça potencial à expansão territorial do vírus da febre amarela silvestre" no País, "com conseqüências imprevisíveis para a saúde pública".   Segundo o trabalho, a presença do mosquito Aedes albopictus em áreas de circulação do vírus da febre amarela traz risco de aumento da transmissão da doença silvestre e do ressurgimento de sua forma urbana, uma vez que o inseto consegue viver nas matas e nas cidades.   Isto é, o mosquito poderia ser a ponte para que o vírus da doença, que hoje circula apenas em matas, passe a transitar também em áreas urbanas do Brasil.   Leia reportagem completa na edição desta sexta-feira, 22, de O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
febre amarela

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.