Novo plano da Nasa é visto com ceticismo pela Casa Branca

Meta da agência é mandar grupo de astronautas a um asteroide até 2021

MCT

24 de abril de 2013 | 23h16

WASHINGTON - O plano da NASA de enviar astronautas até um asteroide foi recebido com cetiscismo nesta quarta-feira, quando o chefe da agência norte-americana, Charlie

Bolden, apresentou a ideia ao alto escalão da Casa Branca. Apesar disso, as dúvidas não devem ser suficientes para afundar o programa.

A missão asteroide, revelada há algumas semanas, mandaria uma equipe da Nasa para capturar um pequeno asteroide e trazê-lo para algum ponto próximo da Lua, de forma que os astronautas possam visitá-lo, por meio de um novo foguete e uma cápsula, possivelmente em 2021. "O objetivo é continuarmos como líderes mundias em exploração", afirmou Bolden.

Mas mebros do comitê de ciências do Congresso americano questionam os custos e a viabilidade do projeto - e perguntam a razão de a agência não estar planejando um retorno à Lua para encaminhar uma eventual missão até Marte.

O chefe da Nasa deu uma resposta direta. "Eu preciso de dinheiro para ir à Lua", disse Bolden. Como parte da proposta de orçamento de 2014, a Casa Branca quer que a Nasa gaste US$ 105 milhões no próximo ano para começar a planejar a missão asteroide, que poderia custar até US$ 2,6 bilhões.

Tudo o que sabemos sobre:
NasaCiênciaasteroide

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.