MSC Cruzeiros/Divulgação
MSC Cruzeiros/Divulgação

Novos passageiros de cruzeiro poderão ser vacinados contra sarampo neste sábado em Santos

Operação ocorre após tripulantes serem diagnosticados com a doença. Carteira de vacinação será checada

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2019 | 22h33

SÃO PAULO - Cerca de 5 mil passageiros que deverão embarcar neste sábado, 23, no cruzeiro Seaview da MSC deverão ter a carteira de vacinação checada e poderão ser vacinados no Porto de Santos, no litoral de São Paulo. A operação, que envolverá cem profissionais, está sendo preparada pela Secretaria Estadual da Saúde, prefeitura de Santos e Anvisa e ocorre após a confirmação de infecção por sarampo de 13 tripulantes do navio. Um mutirão já havia sido realizado na quarta-feira, 20, para vacinar quem estava no cruzeiro, quando foram imunizadas 8,3 mil pessoas, além de outros 5 mil que subiram a bordo.  Saiba mais sobre a doença.

Nesta segunda ação, informou a secretaria, aqueles que estiverem com a carteira de vacinação desatualizada serão imunizados contra o sarampo.  A vacina tríplice viral (protege contra sarampo, rubéola e caxumba) será aplicada independentemente da faixa-etária, esclareceu a pasta. "Em caráter excepcional, a dose será ofertada para crianças a partir de seis meses de idade - convencionalmente, na rotina, a primeira dose é aplicada aos doze meses. A imunização realizada em até 72 horas evita que os pacientes infectados adoeçam."

“A vacina é feita com vírus vivo atenuado e é segura. Além dessa ação de imunização, todas as pessoas serão orientadas a procurar o serviço de saúde mais próximo em eventual mal estar ou início de sintomas, que podem incluir febre, mal estar, manchas vermelhas na pele sem coceira, entre outros”, explicou em nota a diretora de Imunização da Secretaria, Helena Sato.  

O Estado de São Paulo ultrapassou a meta de vacinar 95% das crianças contra sarampo na campanha de imunização de 2018, de acordo com dados da secretaria. Foram vacinadas mais de 2,1 milhão de menores na faixa de 1 a menores de 5 anos, o que corresponde a 97% do público-alvo. Especificamente na Baixada Santista, a cobertura na campanha foi de 99,3%, detalhou a pasta.

Atualmente, não há casos autóctones de sarampo em São Paulo. A circulação endêmica foi interrompida no Estado no ano 2000. "Casos esporádicos ocorreram eventualmente desde então, relacionados à importação do vírus de várias regiões do mundo onde ainda o controle da doença não foi atingido. Em 2018, por exemplo, São Paulo registra apenas três casos confirmados, sendo um importado da Ásia Ocidental e outros dois do Estado do Amazonas."  

Para Entender

Surto de sarampo: saiba mais sobre sintomas, contágio e tratamento

Quais são os sintomas? Existe tratamento? A doença pode matar? Clique aqui e descubra tudo sobre o sarampo, doença extremamente grave e contagiosa.

Tudo o que sabemos sobre:
sarampovacinavacinação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.