Novos testes com embrião aumentam eficácia da fertilização in vitro

Método desenvolvido por britânicos examina cromossomos antes da transferência embrionária

BBC

04 de maio de 2012 | 18h09

Uma empresa de biotecnologia da Grã-Bretanha publicou um estudo afirmando que a eficácia do processo de fertilização in vitro (FIV) pode ser significativamente melhorada com um exame que avalia se o embrião possui uma quantidade específica de informação genética. A FIV é um método que tem uma baixa taxa de sucesso, principalmente em mulheres mais velhas.

 

O estudo, publicado pela Blue Gnome no jornal Molecular Cytogenetics, especializado na área, sugere que a avaliação genética do embrião aumenta as chances de a gravidez ter sucesso em 65%. As descobertas foram consideradas como "muito interessantes" por especialistas.

 

Para mulheres com menos de 35 anos, cerca de um terço das tentativas de FIV resultam em uma gravidez. Mas para mulheres com quase 40 anos, as chances caem para uma em cinco, e para apenas uma em 20 para aquelas com mais de 40 anos. O tratamento para engravidar pelo método pode custar de R$ 10 a R$ 20 mil.

 

Depois de o espermatozoide ter fertilizado o óvulo, o embrião deve ter material genético dos dois pais - 23 cromossomos do pai e 23 cromossomos da mãe. Mas às vezes o embrião tem mais ou menos cromossomos que o normal, e na maioria dos casos, ele não se desenvolve.

 

O método de análise desenvolvido pelos britânicos coleta células do embrião quando ele tem cinco dias de vida. Elas são avaliadas para a contagem de cromossomos e o embrião só é implantado se tiver o número de cromossomos correto.

 

O estudo comparou a eficácia dos novos métodos de análise com os procedimentos antigos. Vinte semanas depois da implantação do embrião, 42% das mulheres cujos embriões não passaram por avaliações adicionais estavam grávidas. Entre aquelas cujo embrião havia passado por mais exames, 69% foram confirmadas como gestantes.

 

Nick Haan, chefe da Blue Gnome, disse que o exame "oferece um benefício significativo para a taxa de sucesso da FIV". "Ainda são necessários mais estudos, mas os resultados são incrivelmente animadores", completa.

 

O diretor de FIV do Hospital Hammersmith, também da Grã-Bretanha, disse que os avanços são extremamente importantes para a área. "O estudo não constatou apenas o aumento na taxa de sucesso, mas o fez com apenas um embrião por mulher. Isso significa que há grandes chances de começar uma gestação com apenas uma transferência embrionária", analisou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.