Leo Caldas|Estadão
Leo Caldas|Estadão

Número de casos de microcefalia é menor do que o esperado, diz ministro

Ricardo Barros disse, porém, que é preciso esperar até o fim do verão para verificar qual foi de fato a tendência

Lígia Formenti, O Estado de S. Paulo

10 Novembro 2016 | 14h14

BRASÍLIA - O ministro da Saúde, Ricardo Barros, afirmou nesta quinta-feira, 10, que até o momento o número de casos de microcefalia no País é menor do que o identificado no mesmo período do ano passado. Embora diga que seja precipitado qualquer previsão e considere mais prudente esperar até o fim do verão para verificar qual foi de fato a tendência, Barros arriscou duas hipóteses para a redução: mulheres terem tomado as medidas de prevenção durante a gestação, como uso de repelentes e roupas de manga comprida, e uma eventual redução das taxas de natalidade.

O comportamento identificado até o momento foge do padrão que era esperado por epidemiologistas. A expectativa era a de que, com a epidemia de zika no Rio, no início do ano, o número de casos de microcefalia aumentasse neste semestre. Esse seria o período em que gestantes teoricamente infectadas pelo vírus estariam tendo seus bebês. 

O ministro disse ser necessário cautela. "Precisamos esperar até o fim do verão para ver se essas previsões não vão se confirmar", disse. "Mas, por enquanto, a redução de casos comparando com mesmo período é uma boa notícia."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.