Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Nº de casos de sarampo aumenta para 633 em SP; duas novas cidades entram no mapa da doença

Capital concentra 76% dos casos; campanha em 15 cidades foca em jovens de 15 a 29 anos

Paula Felix e José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

30 de julho de 2019 | 15h11

SÃO PAULO - O número de casos de sarampo confirmados no Estado de São Paulo subiu para 633, segundo novo balanço da Secretaria de Estado de Saúde divulgado nesta terça-feira, 30. O crescimento foi de 30% em relação ao último levantamento, divulgado no dia 19 deste mês. A capital concentra 76% dos registros e uma campanha de vacinação, com foco em jovens de 15 a 29 anos, está em andamento em 15 cidades. A meta é vacinar 4,4 milhões de jovens até 16 de agosto.

De acordo com a secretaria, a capital registrou 484 casos da doença, que é altamente contagiosa e pode levar à morte. Os outros municípios com mais registros são Santos (22), Santo André (19), Guarulhos e Fernandópolis, ambos com 18 casos confirmados.

Desde 10 de junho, uma campanha de vacinação está em andamento e tem como público-alvo os jovens de 15 a 29 anos, faixa que é considerada a mais vulnerável a infecções por causa da menor procura pela segunda dose da vacina. Desde 10 de junho, 799,9 mil pessoas desse público foram vacinadas, segundo a pasta.

Na capital, além dos jovens, crianças entre 6 meses e 1 ano devem ser imunizadas contra a doença. A medida foi adotada após registros de casos nessa faixa etária.

Duas cidades do interior confirmam casos

Sumaré e Americana, no interior, entraram no mapa do sarampo divulgado nesta terça pelo Estado. Com essas confirmações, já são ao menos 35 municípios onde o vírus infectou pessoas no Estado.

Em Americana, uma mulher de 50 anos, moradora do bairro Morada do Sol, apresentou sintomas no dia 2 de julho e, no dia 10, precisou de atendimento no Hospital Municipal Waldemar Tebaldi. Ela não havia sido vacinada e não tinha histórico de viagem recente.

Já em Sumaré, um morador do Jardim Paulistano apresentou sintomas e teve a doença confirmada. Nos dois casos, as prefeituras fizeram bloqueios com a vacinação dos moradores. Só o Vale do Ribeira, na região sul do Estado, ainda não registra casos de sarampo este ano. 

Vacinação

O sarampo pode ser evitado com a vacina tríplice viral, que protege contra sarampo, rubéola e caxumba. Ela integra o Programa Nacional de Imunizações (PNI) e é aplicada aos 12 meses, com reforço aos 15 meses com a tetraviral (sarampo, rubéola, caxumba e varicela).

Até os 29 anos, a recomendação é tomar duas doses do imunizante. Entre 30 e 59 anos, a pessoa deve ser vacinada uma vez. Para quem não sabe se já tomou o número adequado de doses da vacina, a orientação é se vacinar.

Quem já teve sarampo não precisa se vacinar, pois já possui os anticorpos para que a doença seja evitada. Clique aqui para saber mais sobre quem deve tomar a vacina.

Calendário de vacinação

Criança com 1 ano: deve tomar a 1ª dose regular (se tiver vacinado em bloqueio ou campanha deve observar intervalo de um mês);

Criança de 15 meses: deve tomar a 2ª dose regular;

Criança de 1 a 4 anos atualizar a caderneta de vacinação;

População de 1 ano a 14 anos deve ter tomado duas doses de vacina;

Adulto de 30 a 59 anos: deve ter tomado uma dose.

Veja onde se vacinar na Grande São Paulo

Para Entender

Surto de sarampo: saiba mais sobre sintomas, contágio e tratamento

Quais são os sintomas? Existe tratamento? A doença pode matar? Clique aqui e descubra tudo sobre o sarampo, doença extremamente grave e contagiosa.

 

Tudo o que sabemos sobre:
sarampoSão Paulo [estado]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.