Kin Cheung/AP Photo
Kin Cheung/AP Photo

Número de casos suspeitos de coronavírus no Brasil sobe para 12, sete deles em SP

Cinco Estados têm registros em investigação, segundo boletim do Ministério da Saúde

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2020 | 16h32
Atualizado 31 de janeiro de 2020 | 17h12

SÃO PAULO - O número de casos suspeitos de coronavírus no Brasil subiu para 12, segundo balanço divulgado na tarde desta sexta-feira, 31, pelo Ministério da Saúde. O Estado de São Paulo concentra a maioria das possíveis infecções, com 7 casos em investigação.

De acordo com a pasta, cinco Estados têm casos em investigação: além de São Paulo, com 7 registros, apuram possíveis infecções o Rio Grande do Sul (2), Santa Catarina (1), Paraná (1) e Ceará (1).

Outros dez casos tratados inicialmente como suspeitos foram descartados. Todos por terem testado positivamente para o vírus influenza, da gripe.

Segundo a Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo, dos sete casos suspeitos, quatro são da capital, um de Santo André (na região metropolitana), um de Paulínia e um de Americana, ambos no interior. Dois casos já foram descartados pela secretaria, o de dois irmãos, de 4 e 6 anos, que foram diagnosticados com o vírus da gripe.

Dos sete casos que seguem em investigação na capital paulista, três são adultos e um é criança. Nas demais cidades, são dois adultos (Paulínia e Santo André) e uma criança (Americana). Todos eles estiveram na China.

De acordo com a secretaria, eles estão bem e em isolamento domiciliar, ou seja, com restrição de contatos com pessoas e ambientes externos. "Os familiares dos pacientes considerados suspeitos estão orientados com relação às medidas necessárias para se prevenirem, como uso de máscaras, higienização das mãos e não compartilhamento de objetos de uso pessoal, bem como sobre os cuidados requeridos para os pacientes, que incluem hidratação e a permanência em casa, sem circulação por outros locais e evitando contato com familiares e amigos, por exemplo", destacou a pasta, em nota.

Compra emergencial de equipamentos de proteção

O Ministério da Saúde anunciou nesta sexta que fará uma compra emergencial de equipamentos de proteção individual e outros insumos necessários a profissionais de saúde e outros trabalhadores que tenham contato com possíveis casos suspeitos.

De acordo com o secretário-executivo do ministério, João Gabbardo dos Reis, serão comprados itens como máscaras, gorros, luvas, álcool em gel e medicamentos. "Vai sair um edital hoje para esse processo de aquisição de todos esses EPIs (equipamentos de proteção individual). Ainda não temos o quantitativo de cada item porque queremos negociar", disse ele.

Segundo o secretário, caso o mercado nacional não tenha estoque suficiente para a compra de todos os produtos, a pasta pode fazer a compra de empresas internacionais. Por tratar-se de uma compra emergencial, a expectativa do ministério é de que em uma semana as compras já estejam sendo realizadas.

Surto pelo mundo

Mais de 20 países, além da China, já confirmaram casos de coronavírus. Nesta sexta, Reino Unido, Rússia e Suécia relataram já ter infecções pela doença em seus territórios.

Na quinta-feira, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou emergência em saúde pública de interesse internacional por causa do risco de surto global da doença.

Na China, o vírus já infectou 9,6 mil pessoas, das quais 213 morreram. A maioria dos casos está concentrada na região de Wuhan, onde o surto começou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.