Número de mortos por Aids tem leve queda no mundo, diz ONU

O número de pessoas que estãomorrendo de Aids e o de pessoas que estão sendo contaminadaspelo vírus da doença diminuíram um pouco nos últimos anos emmeio a uma intensificação do esforço mundial para enfrentá-la,disse na terça-feira uma agência da Organização das NaçõesUnidas (ONU). No mundo todo, cerca de 33 milhões de pessoas eramportadoras do vírus em 2007, a maior parte delas moradoras daÁfrica subsaariana, uma cifra menor que os 33,2 milhõesregistrados em 2006, afirmou o relatório anual da ONU sobre aepidemia de Aids.A quantidade de mortes provocadas pela Aids caiu pelo segundoano consecutivo -- cerca de 2 milhões de pessoas teriam perdidoa vida em virtude da doença em 2007, disseram estimativascitadas pelo Unaids. Segundo a agência, 2,1 milhões de pessoas morreram porcausa da doença em 2006. O número de pessoas contaminadas recentemente pelo HIV caiude 3,1 milhões em 2001 para 2,7 milhões em 2007, disse orelatório. A África subsaariana continua a ser a parte do mundo maisafetada pela Aids, já que 67 por cento das pessoas portadorasdo HIV e 72 por cento das mortes provocadas pela doençaencontram-se naquela região, afirmou o documento. Segundo o Unaids, programa da ONU para a doença, aquantidade de novos casos de contaminação caiu em váriospaíses, mas subiu em outros, entre os quais a China, aIndonésia, o Quênia, Moçambique, Papua Nova Guiné, a Rússia, aUcrânia e o Vietnã. As contaminações pelo HIV também estão aumentando em paísescomo a Alemanha, a Grã-Bretanha e a Austrália. "Um aumento de seis vezes no montante gasto com os programade combate ao HIV em países de baixa e média renda, entre 2001e 2007, começa a render frutos", afirmou o relatório. "Os avanços, no entanto, distribuem-se de forma desigual, eo futuro da epidemia continua a ser incerto, chamando atençãopara a necessidade de intensificar as ações para avançar rumoao acesso universal à prevenção, ao tratamento, ao cuidado e aoapoio quando se trata do HIV", disse o documento, lançado antesde uma conferência internacional sobre a Aids a ser realizadana próxima semana, no México. O relatório veio a público cinco dias depois de o Congressodos EUA ter aprovado uma grande ampliação do programa decombate à Aids e a outras doenças na África e em outras partesdo mundo. A medida agora precisa ser sancionada pelo presidentenorte-americano, George W. Bush. "Os avanços na preservação de vidas ao evitar novascontaminações e fornecer tratamento para os portadores do HIVdevem ser mantidos no longo prazo", disse em um comunicado odiretor-executivo do Unaids, Peter Piot. "Os ganhos de curtoprazo devem servir de plataforma para revigorar os esforços quecombinam prevenção e tratamento e não para alimentar qualquertipo de complacência."

WILL DUNHAM, REUTERS

29 de julho de 2008 | 13h58

Tudo o que sabemos sobre:
AIDS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.