Gabriela Biló / Estadão
Gabriela Biló / Estadão

Número de obesos entre jovens mais que dobra em uma década

Obesidade já atinge 9% dos jovens entre 18 e 24 anos; o ganho de peso precoce aumenta riscos de desenvolver doenças

Ligia Fomenti, O Estado de S.Paulo

18 Junho 2018 | 05h00

BRASÍLIA - Embora o aumento do sobrepeso e da obesidade tenha se dado em todas as faixas etárias e em todas as regiões do País na última década, os jovens foram os mais afetados. O número de obesos de 18 a 24 anos mais que dobrou em 11 anos e alcança os 9%. Além disso, um terço das pessoas nessa faixa etária está com sobrepeso. 

A preocupação com pessoas nessa faixa etária se dá não apenas pela velocidade com que o fenômeno avança, mas pelas consequências. Quanto mais cedo jovens ficam acima do peso, maior o risco de desenvolverem doenças. 

O impacto para o sistema de saúde também é expressivo. O cálculo é de que o País gaste cerca de R$ 16,9 bilhões por ano com tratamentos de problemas relacionados à obesidade, como asma, hérnia de disco e distúrbios cardiovasculares.

Os números reunidos pelo Ministério da Saúde mostram que os efeitos da obesidade já são sentidos. O diabetes, por exemplo, cresce de forma expressiva. Entre 2006 e 2017, os registros subiram 49% entre a população de 25 a 34 anos.

Quando se analisa a população como um todo, fica claro não haver diferenças significativas entre gênero. Em São Paulo, por exemplo, 8,6% das mulheres já receberam a confirmação do problema e 8,3% dos homens. A estatística nacional é um pouco menor: 7,6%. 

O estudo mostra que a população masculina é a mais afetada tanto pelo sobrepeso quanto pela obesidade. Em todas as capitais e no Distrito Federal, mais de 50% dos homens está acima do peso. Em 7 capitais, a marca já ultrapassou os 60%. 

A situação das mulheres, contudo, está longe de ser menos alarmante. Em 12 Estados, mais da metade das mulheres têm excesso de peso.

A auxiliar administrativo Thaís Machado Martins, de 29 anos, já foi obesa e passou por um processo de emagrecimento quando estava com 26 anos. Agora, após ter a primeira filha, está novamente tentando melhorar a alimentação e cortar o refrigerante. “Tinha muita gordura no fígado e o médico chegou a falar que eu estava a um passo de ter cirrose hepática. Foi um susto, mas, mesmo assim, não comecei a mudar os hábitos. Quando você está acima do peso, você não come o que é correto.”

Ela conta que, alguns meses depois, entrou para o programa Vigilantes do Peso e, em um ano e meio, emagreceu 21 quilos. “Quando entrei, estava pesando 102 kg e tenho 1,70 metro. Em março de 2017, já estava com 81 kg. Em junho, engravidei”, conta.

Nos primeiros cinco meses de gestação, teve muito enjoo. “Quando a água com gás não resolvia, eu tomava refrigerante. Ganhei 22 kg na gravidez.”

Agora, que a filha está com 3 meses, Thaís está tentando ter uma alimentação balanceada. “Estou com 85 kg. Diminuí bastante o refrigerante e estou tentando comer melhor.” /COLABOROU PAULA FELIX

Mais conteúdo sobre:
obesidade diabete

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.