Nutricionistas combatem as 'dietas milagrosas'

"Elimine 7 kg em duas semanas", "faça a dieta da lua e perca 4 kg em 10 dias" ou "conheça a dieta do carboidrato e fique linda e magra". Estes são alguns exemplos de manchetes que, com freqüência, estampam a capa da maioria das revistas femininas. A promessa é exterminar, em poucos dias, a gordurinha extra de suas leitoras. As mulheres, alucinadas com a possibilidade de conquistar o corpo dos sonhos, começam a dieta no mesmo dia. Porém, no outro lado da história, há uma turma que está preocupada com as conseqüências de tantas promessas sem fundamento: os nutricionistas. Eles, que comemoram hoje o Dia do Nutricionista, fazem de tudo para alertar a população sobre o problema de ingerir alimentos que não suprem a quantidade de nutrientes que o corpo humano exige. "As pessoas não imaginam o que terão de encarar futuramente. Existe uma série de malefícios para a saúde de quem se alimenta de forma inadequada", avisa Erika Suiter, nutricionista do Hospital Sírio Libanês. Por isso, é preciso ficar atento, pois algumas pessoas se atrevem a dar palpites sobre como devemos conduzir a nossa alimentação, mas se esquecem de que existem profissionais capacitados e que esclarecem com propriedade dúvidas sobre a conduta alimentar diária. "Depois de um tempo, descobri que o nutricionista é fundamental para qualquer ser humano. Tinha uma alimentação desregrada. Agora estou bem mais disposta", lembra a dona de casa Marina Machado, de 45 anos. Segundo Alessandra Toledo, nutricionista da loja Mundo Verde, seus pacientes buscam uma alimentação mais saudável, rica em proteínas e fibras, mas não sabem direito o que ingerir. Por isso, ela acredita que é importante orientá-los de forma didática. "É uma tendência mundial as pessoas se preocuparem cada vez mais com o que ingerem", diz. Já Legiane Rigamonti, nutricionista do Sesi-SP, acredita que o problema esteja no consumo exagerado. "Nosso papel é o de orientar as pessoas sobre o que elas podem ingerir com mais e menos intensidade. Todo mundo pode comer de tudo, basta ter cautela", ensina. Presentão - A preocupação com a saúde da população é tão grande - e deve ser levada a sério, independentemente da idade - que, a partir de dezembro, o Brasil adotará parâmetros próprios para avaliar o estado alimentar e nutricional da população escolar. Atualmente, são usados parâmetros norte-americanos, incompatíveis com a cultura alimentar brasileira. "A adequação dos valores à alimentação escolar permitirá que os nutricionistas elaborem cardápios que atinjam 15% das necessidades nutricionais diárias das crianças", explica a nutricionista Albaneide Peixinho, coordenadora-geral do programa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.