O futuro da saúde é hoje
Conteúdo Patrocinado

O futuro da saúde é hoje

Biossimilares democratizam acesso ao tratamento oncológico

Libbs, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

31 de março de 2022 | 18h00

Uma das aplicações dos biossimilares, o câncer de mama, era entendida até algumas décadas atrás como uma só doença, e os oncologistas prescreviam basicamente o mesmo tratamento para todas as mulheres: cirurgia, quimioterapia, às vezes radioterapia. Com o avanço das pesquisas em oncologia, descobriu-se que existem tipos diferentes de câncer de mama, que podem ser classificados não apenas pelo seu estadiamento, mas também pelas células afetadas(1).  Tal entendimento permitiu que as terapias pudessem ser customizadas, ou seja, planejadas para que cada paciente possa ser tratado com o que é mais efetivo para o seu tipo específico de doença.

Além das terapias já consagradas, as pacientes diagnosticadas com câncer de mama HER2-positivo(2) têm se beneficiado de tratamentos chamados de terapia-alvo. Dentro dessa classe, merecem destaque os medicamentos biológicos conhecidos como anticorpos monoclonais. 

Fabricados a partir de células vivas, são proteínas semelhantes às produzidas pelo nosso organismo e ajudam o sistema imunológico do paciente a combater especificamente as células tumorais, provocando menos danos às células normais(3).

A terapia-alvo tem aumentado as chances de cura das mulheres com tumor primário de mama e a sobrevida das pacientes metastáticas, que são aquelas cujo câncer já foi encontrado em outros órgãos além da mama. “Antes essas mulheres viviam um ou dois anos. Hoje em dia, vivem seis, oito, dez anos. Vai chegar o momento em que o câncer vai estar lá, mas não vai impactar na vida dela porque estará controlado, como se fosse uma doença crônica, como o diabetes ou a pressão alta, por exemplo”, explica o oncologista e mastologista Franklin Fernandes Pimentel, do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto e consultor da Libbs. Esses anticorpos monoclonais também têm sido usados com sucesso para o tratamento de outros tipos de câncer, explica o oncologista Denis Jardim. “Existem alguns tumores em que o agente biológico fez uma diferença enorme no tratamento, como alguns linfomas, melanoma, câncer de estômago, de pulmão e de rim.” Segundo o médico, para esses tipos de câncer também há medicamentos biossimilares que podem ser incorporados ao tratamento. 

E se por um lado essa nova abordagem terapêutica tem se mostrado promissora para o tratamento de um grupo de pacientes oncológicos, esses medicamentos biológicos são de alto custo e têm sobrecarregado o Sistema Único de Saúde (SUS) e os planos de saúde privados. “O uso dos anticorpos monoclonais nos últimos 20 anos tem trazido ganhos muito sólidos para os pacientes. Só que ao mesmo tempo trouxe a discussão do custo da saúde, porque o desenvolvimento dessas moléculas demanda técnicas de engenharia genética, com processos de produção caros e complexos”, explica Pimentel.

A boa notícia é que a patente de grande parte desses medicamentos expirou, permitindo que os biossimilares, produtos equivalentes aos biofármacos de referência, pudessem ser fabricados. “O principal pilar dessa entrada dos biossimilares no mercado é permitir o acesso a medicamentos complexos, que são os agentes biológicos, para grupos de pacientes que até então não tinham esse acesso”, afirma o oncologista Denis Jardim. O mastologista Franklin Fernandes Pimentel revela que os biossimilares podem ser até 50% mais baratos que os medicamentos de referência, o que ajuda o sistema privado a manter o equilíbrio financeiro e permite que o SUS atenda mais pacientes oncológicos usando o mesmo volume de recursos disponível (4). A Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica tem a mesma visão e afirma que a entrada dos biossimilares no mercado pode ser considerada “uma medida real no enfrentamento dos altos custos dos tratamentos do câncer”. (5)

O que são os biossimilares?

A American Cancer Society classifica o biossimilar como um medicamento muito semelhante em estrutura e funcionamento ao medicamento biológico originador(6), tendo perfil farmacogênico equivalente e mesmo princípio ativo. Para serem aprovados pelos órgãos reguladores – nos Estados Unidos o Food and Drug Administration (FDA) e, no Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) –, os biossimilares passaram por testes rigorosos(7;8).  

O biossimilar é como um medicamento genérico?

Apesar de os conceitos serem semelhantes, não é correto dizer que os biossimilares são “biogenéricos”, pois esses medicamentos são fabricados usando diferentes linhas celulares e sistemas de cultura, ou seja, não são 100% idênticos aos seus compostos originais, como os medicamentos genéricos fabricados usando ingredientes sintéticos. Mas os testes a que são submetidos possibilitam classificá-los como altamente similares.


A terapia-alvo, um tratamento para o câncer que visa atacar especificamente as células tumorais (enquanto a quimioterapia convencional muitas vezes também provoca danos às células normais), tem sido cada vez mais utilizada no tratamento de alguns tipos de câncer.

O câncer é originado após alterações nos genes de células saudáveis. Quando isso acontece, as proteínas da célula são alteradas, resultando em uma divisão celular anormal ou na morte celular reduzida, fazendo com que as células cresçam descontroladamente, formando um tumor. 

Os pesquisadores descobriram que alterações genéticas específicas contribuem para o desenvolvimento de alguns tipos de câncer. Com esse conhecimento, desenvolvem medicamentos que:

a)    Desligam ou bloqueiam os sinais que facilitam a divisão e o crescimento das células tumorais;

b)    Evitam que as células vivam mais do que o tempo normal;

c)    Destroem as células tumorais.

Fonte: Oncoguia (9) 

A terapia-alvo pode ser utilizada sozinha ou em combinação com outros tratamentos, como a quimioterapia, a cirurgia ou a radioterapia.

Fonte: American Cancer Society (10).


Referências

(1) Types of Breast Cancer | About Breast Cancer. Consultado em março de 2022.

(2) Câncer de Mama HER2 - Instituto Oncoguia Consultado em março de 2022

(3) Entendendo a terapia-alvo - Instituto Oncoguia Consultado em março de 2022

(4)Informação obtida pela prática clínica do médico.

(5) A chegada dos biossimilares à oncologia brasileira (sboc.org.br) Consultado em março de 2022.

(6) What Are Biosimilar Drugs? | Biosimilar Drugs for Cancer Treatment. Consultado em março de 2022.

(7;8) VENTOLA, C. L. Biosimilars – Part 1: Proposed Regulatory Criteria for FDA Approval. P&T, v. 38, n. 5, p. 270-87, 2013. Consultado em março de 2022

(9) Entendendo a terapia-alvo - Instituto Oncoguia Consultado em março de 2022

(10) Targeted Drug Therapy | American Cancer Society Consultado em março de 2022.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.